Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

    PATRONO DO MÊS DE JULHO
              
                Aderaldo Ferreira de Araújo [1878-1967]  
                              - escritor brasileiro cego -

                
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Textos


                O que me consente, comove ávido descrer
                ausentar-se quando cedo ainda que revelou
                e santos em motores desertos de movimento
                demônios em estátuas com tão desgovernos

                A feia que seja acolhida beleza efêmera vil
                vindo belos ornatos de heróis sem medalhas
                carentes quem fossem da paixão imerecida
                quão infelizes ao procriar tais maus delitos

                O meu crescer inteiro deste ego surpreso
                na suprema hora do acerto de contas véu
                ao celeste imperar da importante sobrevida
                num jamais morrer sem rever a juventude

                Tanto para esconder em nenhuma caverna
                o belo entardecer oculto no afã de conviver
                feliz que fossemos alguém acima perceber
                consentir a cada vez esta paz iludida rude

                A ser que devemos sentir solitários vivos
                sendo homens e mulheres em temor cego
                caminhantes do futuro que nunca nos vê
                saudades eternas além dos vales negros!

                Entender, suplicar, avançar na escuridão
                nús e quase mortos, a rogar por piedades
                andantes num caminho vacilante de dôr
                inebriados do amor que envelhece falido

                Sozinha, e eu, você, quase combinados!
                nas mágoas feridas, num amargo partilhar
                faces enfurnadas na antiguidade relutante
                a acordar do quanto perdemos no desejo   
Jurubiara Zeloso e Solidão Companheira
Enviado por Jurubiara Zeloso em 29/03/2018
Alterado em 29/03/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras