Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

    PATRONO DO MÊS DE MAIO                  
         
                     Ziraldo Alves Pinto ( cartunista )
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Textos


Em meu sorriso espanto
num dever de felicidades
nessa calma de oceanos 
e tantas tardes por mim
pelo saber numa noite
quais saboreia um riso
os ontens descansados
lá meu velejar repentino
custear de vidas mares
trafegar avenidas águas

Um instante que serei
sendo a paz do viver luz
este viver a tão felicidade
o morrer que nos repisa
aos passos,  dores doces
tão tardes além ensina-te
está respirar eternos ares
felicitar que o dia reviveu
guiado pelo existir sereno
ousa falhar entre sucessos

Os dizeres que salutares
lhe são o que sou amores
e dizem da arte dos mares
o correr das ondas frágeis
sentir a existência de tudo
caminhar no limiar antigo
sofrer pesares consignados
as palavras esmolam cuspir
imensa licença do castigo
eu sozinha a te sobreviver!

Ao Sol que ilustra caminho
tanto a ser o que poeta faz
rever os versos a cortesia
dispor-sei com tal deserto
o conhecer acima de nós
ou este além continuado
conforta-se um padecer
estimado querer justiças
um consumar de estrelas
Tudo por quase eu penar!

E eu quero o sorrir feliz
sermos o que me fortuna
a cálida côr dos amados
a carne do mundo fraco
o ser caído que se refaz
um sentir da solenidade
os passos pra redescobrit
aceitando a flôr destino
fluir de lágrimas colhidas
dia de certezas solitárias!
 
Jurubiara Zeloso
Enviado por Jurubiara Zeloso em 29/01/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras