Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

 PATRONA DO MÊS DE OUTUBRO 
   
                     Xena, a Princesa guerreira
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Textos

Caída em rotos
     Em meu coração ferido de morte e de amor
     Como los dias chicanos de outrora utopia una
     Em missão desfralde em reinar orando só
     a tu que pedi e perdida com coração
     te polarizar minhas ciências nuas
    
     Aos dias que lhe peço oratórias de perdão  
     De um só desapiedar infames dôres as suas
     Os dias em que horas sinto vício dos minutos
     o cada instantear da clausura do sofrimento
     ao agarrar à vida em sepultar regenerada
     um padecer de ingrato consentir despedida

     Em teu mentiroso enfrentar destino assim
     Na mentirosa relutante semana tal descaso
     O desarmar-se as mãos frívolas crispadas
     que te esqueces este real devanear insone
     com aos dias a lhe pedir tesouros e catedrais
     um início irrequieto do amargor desatrelado
  
     Num segundo a mais querida com provações
     encaminhada ao desajustado coração alerta
     O ausentar ferido te acompanhar condoído!
     tantas as coisas que alhures deixou ocasos
     No despertar da madrugada flerte iluminante
A minha primeva desilusão
Enviado por Jurubiara Zeloso em 06/08/2017
Alterado em 06/08/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras