Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

PATRONO DO MÊS DE AGOSTO     
       
           Salvadoir Dali ( pintor espanhol )
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Meu Diário
29/03/2017 22h07
Uma corajosa pode errar o alvo e lavar os pratos...

    Mulher bravia, uma das minhas, as musas, meus amores que nunca curtirei aqui, as mesmas que me são santas pu artistas com fome de vida e história sofrida. Eu as venero. As minhas musas, meus enlevos de poesia minha, enfim tesouros de amôr antigo, verazes, vorazes ou distantes demais. E tenho de assumir que sou da mesma  linhagem de algumas delas, mas não me equiparo às poderosas criadoras de si mesmas em um mundo só de homens. 

    Confesso que as idolatro muito. Não sendo perfeitas, mas são imprecisas com aquela bravura de corpo+alma+desejos insatisfeitos...e são tantas e tantas assim...

                                   

 As piimeiras, que se tornaram uma vanguarda e padeceram pelo medo susto!

                                    

 Aquelas que na escuridão deste mundo hominideo se sentiram entorpecidas!

                                 

   As que mascarada com devoção se orgulham seriamente  de nossa irmandade!

                                

  Aquelas que assustam-se incrédulas pela ferocidade que os homens as matam!

                                

 Rejeitadas que são, as mulheres que vivem dentro dos transexuais mais fracos!

                               

E as ternuras que nos olham, com a fome no olhar e nos pedem só amôr!

                               

 Essas de duro olhar não ausente, sábias de elite, que perderam o amôr caladas!

                              

As felizes por serem mais mulher, que amam outras, que reconhecem a vida!

             


Publicado por Jurubiara Zeloso em 29/03/2017 às 22h07
 
27/03/2017 12h54
Nada de nadica de nada

           Hoje nada a se dizer especificamente. Nada a me lamentar o dia de hoje. Aliás, está um belo céu, um bom dia passando rápido, fica constantememte me cobrando que o amanhã será diferente. E as moças daqui me iludem com sorrisos, mas isso não possui a maledicência com vontade, não é de propósito e aceito a risada geral. A gente se entrega a amores mas não perde o rebolado. As horas passam desde manhã e me sinto ótima e cheio de tesão de vida. Nem sei como relatar mais coisas sobre isso. Não somos falsas aqui. Nem eu incento modinha ou mentiras pesadas. Somos nice a toda hora!

          Apenas tenho muito que falar e pouco a ser dito mesmo. O ida se esvai e me deixa tranquila como um brinquedo sossegado. Estamos felizes por termos ficado longe das mazelas masculinas e os pendores másculos dos caras sem noção. E nosso amôr é só ejtre nós e a quem chgegar implorando corações ou "tesouros" de atenção. E tenho coração de super-mãe à toda prova não é? Que digam as meninas que tanto adoro de paixão.

         O mês foi complicado. As regras desta vida se transmutam neste país complexado, infértil de certezas, e lá vai mais uma crise a nos atordoar os bolsos,  nos fazer nervosas. Atpe as calcinhas estão ficando carinhas e mais feias - se bem que não curto muito fio-dental.  A gente está mais alerta, pois essa crise intensa já dura década e tanto! E ficar parada  não dá. Trabalhar e aceitar as coisas que se paga, além do imposto devido e tal, sempre é o melhor de nossos caminhos. estaremos juntas como sempre. E já foi pior no início deste século - perto de 2000 e foi demais. Acertamos os ponteiros e estremos juntas até o fim do arco-íris! Quem sabe um valeiro tente romper nossa irmandade e  nos roube uma queridas consortes sortudas...sei lá. No meu caso nçao quero homem e quero continuar lesbica bi-bi lindinha, afetadinha, poetidsa e muito mais sábia como nunca. O resto é fronteira aberta. Só assim.

       

E lá vamos nós a dizer tão pouco por alguns muitos leros-leros. Nada a dizer e nadica a ser enfrentado com mais ardor. Estou grata por ter tido mais um dia com coragem, fluidez, acordos e amores. O mundo nos é cruel mas somos mais suaves e muito mais atentas aos sinais. Somos mulheres de força, fibra, quase guerreiras em um mundo de pratos sujos ( caras feias idem ) que se lavam limpos com candura. Só digo o que aceito dizer quie nada saberei. Afe! E coitado do Sócrates filósofo...kkkkkk

   

                          Da sua e de todas, Jú - ano XXV da comundidade femina!

 

   "Hoje é um novo dia, uma nova vida, um novo brilho . O futuro já começou..." 

 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 27/03/2017 às 12h54
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
23/03/2017 12h37
Por trás temos um tesãozinho bonito e na frente a coisa mais linda

   Essas mulheres de minha safra de imagens e as de casa...

   Elas me deixam bastante louca nas calças! De toda forma, trejeito ou feitio...ai que bonitezas! Fico tesa! Muitas são do jeito que gosto, se vestem de três formas que me agrada: vestidos longos, calcinhas aparecendo ou corpo delineado por roupas íntimas. E qual lésbica nçao gosta d ebons partidos assim? Um must, aliás, um colírio pra mim a cada estação. Amo cada uma que vejo e onde colocar os olhos. Não dá pra resistir.

  Uma mulher bem vestida, escondendo por pouco o seu íntimo avassalador, sempre será melhor que um acompletamente nua - embora eu goste demais desta última opção, mas bem escondido ( com fotos de nudes que elas deixam eu tirar... ): dentro de 4 paredes ou em fotos de álbuns de recordação que guardo muito em segredo na minha escrivaninha do quarto...ai ai ai...

  Mulheres  nuas são o meu prazer imediato, mas com roupas bem certinhas ficam bem melhores, dão aquele toque sensual - quem sabe, de vouyer - que quando despidas não são fáceis de serem fetiche a cada instante. Uma delas de mini-saia, com as calcinhas felpudas e sapatinho arrastado ( nada disso de salto alto, detesto! ) bota a minha mente em parafusos! Uma estátua nua é coisa fria, ausente, sexualizada, coisa de homem que fantasia em extremis, não tem a graça e o charme delicioso de uma mocinha ( com 21 anos, ui! ) com tubinho, meia calça ou sutian sem alças. Assim eu penso que deve ser. Pra mim adoro imensamente as roupas, a silhueta encantadora ( ai, estou é tremendo na baixa fornalha...kkk ) e o tudo que uma mulherzinha lindinha tem em roupas ainda mais justinhas. E tem aquela japinha de um seriado que me fez começar a pensar nessas coisas, ainda menina moça, como vestígio de uma tara feminina muito louca! Pois é!

  E quem se  lembra da rainha Aura do National Kidd, que vi meio tardiamente na TV Brazuca nos anos 90? Ela já tá véia agora, mas quando daquele jeito no seriado, nossa, me deixou maluquete de vez! Uhu! Com roupa bem colante se insinuava se sexo oculto sobre roupa ou cinta por baixo. Eu olhava aquilo com uma tentação...afe! Parece que Aura foi a primeira a fazer a gente ( incluindo os meninos ou rapazes da época ) ter uma tara por collants e suplex atuais. Só de imaginar a nossa ( minha sandice também ) pepeka com aquela roupa quente e que faz suar adoidado...ai! Sou  mesmo uma tarada impiedosa...kkkkkkkkkk

  De certa forma não sou ninfomaníaca lésbica com alto grau de libido solta. Eu me controlo desde pequena, claro. Mas eu tenho guardado tantas imagens e fotos sobre esse fetiche e de outros parazeres meus...e isso nos diverte quando estou com as mocinhas em meu quarto e olhamos os álbuns de minha coleção. E eu não tenho vergonhas disso tudo que digo pois sou livre e com a  mente bem, BEM abertinha! Quem sabem não nascerei mulher multissexual outra vez noutra encarnação? No fundinho de meu ser ainda sinto falta de homens mais femininos mas que tenham "aquilo" roxo bem satisfatório ou escondido em ereção, mas de certo modo não sinto é TANTA falta assim de um pênis. Argh!

  Voltando ao assunto. Ainda gosto muito de roupas e tenho um ármário cheio de tudo que uso desde mocinha levada. Corsets, bloomers e cintas são a minha fissura principal, adoro ficar apertadinha por baixo das roupas largas que uso todo dia. Meu fetiche por roupas coladas, mulheres com eles e uma paixão fervente deixam muitas bem tontas. Sabem que tenho taras, contudo não falam muito pra mim acerca do susto que levam com isso. Não negarei isso e nem tenho culpa a se assinalar acerca de minha predileção pessoal por roupitas bem tesudas e mulheres com calças jeans cheirosas de lavanda. Gosto e pronto. E eu devia ter nascido homem gay pra assumir de vez a maluquice nessa vidinha doida....mas nada disso! Sou mulherzinha 100% ativa, passiva ou motorneira, hehehehehehe...e assim é...me divirto com isso. 

  Olhar bumbum de mulher nas ruas assusta muita gente  que nada falam. Se isso é típico de homem, tudo bem. Porém, náo adianta, eu olho mesmo tudo - os peitos, o rebolado, sinto o perfume e se há troca de olhares cúmplices, que nos convence de nossas atitudes 'lesbianas' de fato. Bom, tem algumas que se assumem numa boa. Outras tem raiva e saem correndo. E o instinto de caçadora é o meu maior charme. Embora seja assim a cada passo dado na rua, eu evito maiores dilemas por dia. Claro que vou pra rua à trabalho ou até fico  no meu escritório mantendo as aparências de normalidade. Parece que muitas dessas delicosas "presas" ( pode-se dizer isso...que coisa meu! ) sabem reconhecer uma predadora bissexual ambivalente(!) como eu. Isso é estranho dizerem pra mim, mas é um fato alarmante pensar nisso! Às vezes me engano demais.

   Sim, adoro vestidinhos curtos tambem, as calcinhas de todo tipo, fetiches que são maiores ainda quando colocados em um corpo deliciosamente esbelto ou muito bem proporcionado. Ainda bem que muitas daqui se encaixam demais em meu olhar clínico, Sou mulher e sei o que nos agrada ao vestirmos, como uma espécie de adulação instintiva, apelo sensual e vontade íntima primitiva. Pena que sou intelectual demais pra querer ir mais longe nessa afetação. Claro que uso roupas idem para atrair mulheres e transexuais operadinhas - umas das minhas mais preferidas paixões peculiares. E ser poetisa com essa fama além da cama é parte do ritual, e muitas vezes transcrevo meus apetites, os devaneios sensuais em nome da feminilidade. Solidão e fetiches transgêneros são parte do processo enfim. Não tenho culpa por gostar TANTO de roupas que delineam demais o corpo. Isso é mais erótico que a nudez de uma atriz de filme pornô ou da sputas que se entregam com restrições nada prazeirosas por dinheiro. Revostas d esacanagem colaboiram pra isso, mas eu porefiro olhar uma Vogue ou uma Caras só pra ver muito e olhar cobiçosamente aquelas roupas e tantas mulheres finas...uai!

   Não chego a usar saias qualquer. Prefiro roupas bem largas e ocultar minha sexualidade intensa. Posso estar meio passada aqui ou ali, mas dou bom caldo e deixo muitas novinhas maluqupérrimas do coração. Aprendi muito  na vida soitária e tive muita, MUITA experiência com minhas conterâmeas desde os 14 anos! Posso ser marido e mulher numa só persona, portanto não me queixo de assustar ou de me assustarem na hora H. Usarei sempre calças masculinas unissex, calcinhas por cima mais largas e nada de sutiens apertadinhos. O que me deixa aflita é cpmeçar nas preliminares com pouca roupa. Ams na hora certa deixo cair o pano e faço bem o serviço, se é que me entendem. Preliminares, ser devagar quase chegando e ir a fundo são parte de  minha "perícia", poucas escapam da ciladinha no momento exato...kkkkk....coitasa das que não me conhecem muito! Pepeka com pepeka custa a demorar, mas tem de ser assim comigom devargazinho, pra chegar aos finalmentes...quá, quá! Sou uma doida mesmo...

  Se usarmos roupa  na hora da relação eu me esquento mais ainda! Se eu fosse normal ( sei lá... ) deixaria muito homem doidinho por mais de uma! Já tuive essa exoperiência com homens mas alguns seuqer aguentaram a minha vervede mulher sabida. Abandonei esse mudno masculino besta por causa da insaftisfação com um idiota e as muitas besteiras que vejo homens babacas fazerem. Torço o nariz por esses garanhões que seuqer podem comigo. Eu "devoraria" todos!!!!  Prefiro é mulher mesmo e "tamos" conversados! Uso roupas de mulher carente só pra ir mais longe e tem de ser tudo nbem largado pra não notarem o quanto de frenedsi me ataca quando realemnte quero aamar putra d eminha s "irmazinhas" dedicadas. Que se danem que pensem que sou predadora, perniciosa, leviana ou sei lá o quê! Não mudarei essa minha vidinha pessoal por caricato estereótipo de mulher além-vanguarda ( uma dessas aranhas devoradora de aranhas, sai dessa! Se bem que a minha aranha anda peladinha e muito necessitada nos últimos tempos...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

  Pois é, meu doces leitores, até outro dia. Cansei a 'beleza' agora...

                   

Adoro essa japinha do Ultraman dos velhos tempos, suas roupas...aff! E aquela aberturazinha nas perninhas! 

                                            Tão bão achar que posso ser o que sou dentro de casa e viver a vida!


Publicado por Jurubiara Zeloso em 23/03/2017 às 12h37
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (by Jurubiara Zeloso e a turma GATONAS de casa).
 
19/03/2017 15h55
Decerto? De mim? Digo-te mais...

     As escolhas de uma vida enterra um passado inocente quando não somos feitos de aço e coração ausente. Depende de mim ser aceita num amôr que me escapoliu um dia de minha vida antiga, e fui relaxada em ver pouco a razão de um erro. E eu amei erradamente por uma sombra masculina que agora esqueço totalmente ( COMPLETAMENTE! ) convivendo entre as moças que amei desde ontem de ontem. Estou aturdida com o tempo que passou rápido e nas leituras que fiz que nada revelavam sobre o meu futuro inquietante. Agora sou a poetisa com um legado a ser deixado em algures, numa vasta herança a deixar. Sou o que sou, para sempre! Sim senhor!

    Minha esperança última é de ser aceita, casada com uma mulher , unida entre as outras que gosto muito de todo jeito.  E nunca as abandonarei aqui. Tem de ser assim. Eternizar os motivos de meu riso, sendo amante universal sem culpas. E será que é sempre assim? Não sei dizer.

    A realidade lá fora não permite maiores luxos de liberdade feminista como a que nós exercemos por completo. Disso sei mais que todas neste mundo.

    E restam esperanças menores para mim. Um dia e uma certeza, num múltiplo desejo de ser feliz com todas ao meu lado. Não me importa se por acaso ficar sozinha e elas se forem pra viver vidas novas, onde nenhuma de nós insistirá em viver sem as outras. De minha lavra deixo palavras, um aceno de bondade sem prazer, ionde escrevo porções de minha mente envolta de sentidos. Mas eu sou sentimentos, e mulher, mais que o corpo que me conduz e seduz - e ser mulher não depende de sexo ou orgão genitais "perseguidos"! Tem algo mais nessa vida emq ue somos ornamentos, estereótipos ou queridas demais. Ser mulher é bem mais que estar acima da sexualidade divertida. Até mesmo transexuais, que são homens tristes, de verve feminina oculta, até mesmo elas são mulheres belas de alguma maneira ( e o mundo não entende... )! Eu crei o nisso após saber mais do ser humano sofrido que somos.

     Entretanto, agora compreendo, após anos atribuilados de aceitação e de boa formação, que sou mais que uma mulher em uma forma deliciosa ou desejada, silhueta de paixões finitas. Sou um ser sagaz, permitida a ser poeta viva, a falar coisas bonitas, escrever diletantamente, ser  bem mais que mulher inteligente. E muitas nem chegam aos meus pés lá fora. Dificil definir o que se parece com aquilo que devia parecer. Sou assim, incompleta, precisando mais - ser amada é só uma parte do que me acontece. Aceito ser poeta e faladeira demais, mas sou diferente de muita maioria que se deixa perder na história do mundo. A ninguém é facultado o dever ser similar a mim, revolucionária de um jeito e da solitária de algum modo em pensamentos. Nem todas tem este nível de reconhecer-se na realdade que as atormenta e brevemente tentar dizer tudo...

    Sou de muitas maneiras a mesma Jurubiara, tão querida por muitos e pouco conhecida além da porta de casa. Escrevo sem intenção de eternidade de minha parte. Escolhi enfim em ser eu mesma, cansada de outras "guerras"! E meu sorrir está com muitas companheiras, mas choro por dentro com a minoria sem amôr maior que o planejado na adolescência. Um dia direi dessa complicada mania de falar por ironias o fardo que deve ser contado aqui. E sou mesmo  uma complicado mulher de feitio sofisticado, se desejarem pensar assim mesmo.   

    No combater o dia-a-dia nesta casa, no trabalho, quieta e caldinha, ainda mantenho a aparência de boa filha, madame ou senhora de si. Comigo ninguém pode e é verdade! Sou aturdida pelo que me convence e sou reconhecida do jeito que me amam. A vida se complicou e eu sei disso.

    O que importa que sou abraçada, acariciada, vício de novas moças loucas que conquisto. E cada uma ama as outras como eu a todas. Nosso pacto funciona, meu harém é só acaso, minha paixão é comunista como elas. Cooptamos em ser divinas, em saraus retomados, em minha dança lasciva, em tudo que nos cerca agora. Não negarei que sou livre, liberta ou bisonha em que faço.Até estou rindo ao dizer estas certas verdades que exponho...

     Escrever as coisas que a mente se sente feliz em registrar no papel e ser a dona do meu nariz,  jamais deixando as melhores coisas escritas por mim em uma mídia qualquer. Agora mais que nunca escondo o melhor e deixo soltas as menos sublimes. E imaginem o quanto de bonito deixarei de expor só aqui na Recanto, por causa de alguns roubos de autoria de meu trabalho escrito? Faço o que posso e liberto meus anseios...e espero deixar algo bom nessa vida e nunca permitir que ameacem o meu árduo trabalhinho de mulherzinha sabida....

      Miau pra todos! 

   


Publicado por Jurubiara Zeloso em 19/03/2017 às 15h55
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
16/03/2017 16h01
Sou eu e não eu...vai nessa que não volto a ser a de antes

    Já fazem enfim vinte anos que não faço sexo com homens, ou sómente com um que foi o bastante pra minha vida marcada por desencantos e de sonhos a serem feitos. Não sinto falta de homem hoje em dia, não me interesso mais por esses seres sofredores ou criadores de caso. Um lástima ter me arrependido de ser o que sou doravante desde aqueles tempos. Mas jamais vou querer homens de novo em minha vida, nem filhos pra gerar por eles ou por causa deles. Sou é muito sozinha desde o final dos anos 90, mas me sinto ótima com as minhas atuais namoradas, só que com mulheres de primeira classe claro - essas qiue estão comigo aqui neste casarão solene! E pago bem pra morarmos bem, assim como eu quero sempre...legal!

    Entretanto não sinto muita falta de um amôr masculino incipiente, doutrinador ou chauvinista demais. Já paguei meus tributos e cem pecados por isso. Tive uns enfartes indiretos por causa desse passado e das suas amarguras. Sinto que falhei como uma mulher naquele dia em que amei um homem, tentei ser feliz, tudo desabando, com desaforos, etc que tais...hoje me mataria se eu virasse escrava sexual de um cara abestalhado que só pensava em termos de me ver "comida" e eu sendo corneada vezes sem conta! Por falta de merecimento deixei de lado essa corja enjoada de hominideos que pensam com o pênis latejante. Até que gostava do cara e até lembro bem: das transas maravilhosas que nós fizemos, as falsas juras de amôr e as aporrinhações por ciúme, afe! Que me perdoem os deuses masculinos que inventarem ou as meras desculpas, todavia eu prefiro mulheres desde o dia que fui largada na sacristia chorando culpas - e jurei ser uma atéia e uma lésbica desde esse dia fatidico em que descobri o meu erro tardio...

     Eu não negarei que gostava de sexo a dois, sendo quase amada loucamente ( e com aquela mentira que me iludira por meses com um tesão insatisfatório, culpas por parte dele... ) e idolatrava o sujeito, dito "sagaz" por sua inteligência e só isso depois. E ele nunca se responsabilizou por cada hora em que se perdeu comigo. Eu amei umas vezes e ele desistiu nem sei como. Eu fui feliz a cada trepadinha ( não tenho medo de falar disso aqui, ora essa, dane-se!  Não é um diário sso aqui? Bah! ) e amava cada detalhe de seu corpo besta de atleta besta. E o que mais amei foi o sexo, aquele membro delicioso dele, instigante, que me deixava louca, o qual eu me entregava totalmente - era tão bom...ai ai ai!  Mas somente isso náo bastava pra mim, na "verdade" verdadeira. Um coração não cede a caprichos só de sexo ou do prazer oral, mas fala muito quando o amôr ultrapassa a sexualidade carente...pois é...

     Nossa! Eu amei tanto aquele carinha tolinho! Me iludia com a sua "paixonite" forçada que mais tarde vim a conhecer falhado demais. Só queria saber de sexo a cada semana de meus estudos! E eu gostava dele sim, contudo nunca fui tão bobinha de fato. e acreditei em sonhos, delírios prazeirosos, vontade de ter uns filhos. Neguei a aceitação materna piossível usando de anticoncepxionais e nunc apermnitir a ele uam segunda chance. Se casássemos eu faria de tudo pra ter um filho dele, etecetera e tal. Entretanto minha sagacidade impdiu ter um bastardo desse idiota que não me quis mais! Dane-se que eu fique sem ser completa desde então e acabe lésbica assumidinha, babaca...afff....

     Lembro de ter amado com prazer, mas desconfiava dele com razão. Minha entrega sendo total realmente não o satisfazia. Claro que na cama fui tudo que o queria de mim. Sedução e prazer hedonista sempre foram a minha curiosidade. E tive a minha hora certa, mas me enganei num instante errado. Ele não serviu pra mim como o melhor exemplo de homem sério, capaz ou responsável. E ele me largou vestida de noiva na hora em que a maior ilusão se arruinava. Joguei fora o vestido imbecil, deixie de ser a tonta, decidi ser uma atéia por completa e desacreditei dos homens dali por diante! Assumi lesbianismo e foquei minha existência em ter uma sociedade fechada só de mulheres ( harém se quiserem dizer... ) em um ambiente só meu! Assim sim! Dane-se o resto!

    Mal lembro do camarada. Dias depois dele arranjei amores femininos mais calientes e conheci de tudo em matéria de LGBT que me fascinava bastante. E por uns tempos tive namoradas transexuais operadas, hermafroditas femininas e outras tantas lésbicas que 'tentassem' compreender o meu destino. Em vão achei nenhuma disposta a casar, ser a minha "esposinha" ou viver somente a dois. Portanto houve um momento em que decidi fazer o melhor. Organizar uma sociedade exclusiva, feminina ( pral á fde feminista e muito além disso... ) a qual fosse, apesar de tudo, a morada das minhas seis felicidades iniciais, onde os meus sonhos, apetites e as muitas verdades estivessem recolhidas. Achei um casarão, paguei os olhos da cara, fui atrás na vida. Trabalho ativa desde então, folgadamente como secretária executiva de primeira linha,  e encontrei amigas afins e nós fizemos é muitos tratos!  Doravante sou uma matriarca ( "abelhinha-rainhazinha", por assim dizer...kkkkkkk! ) e todas que eu conheço agora são as minhas mais livres colaboradoras de minha vivdinha feliz! Uhu! Aqui homens e meninos não entram mesmo, só o técnico de TV ( é gay! ) e o eletricista da Light ( bem casado e hétero, ugh, que não me interessa... ) e os muitos gatos de rua, certo? Ai, como estou analítica hoje!!! Dimais...

     Vivo feliz, mas a lembrança do sexo de antes me cutuca às vezes. Ah, mas tenho no quarto e no escritório de casa certos brinquedos que substitui essa vontade efêmera...ui! Nada de homens na mi nha vida, pelo amor do guarda! Nem pensar em aturar um bafo ardente e papo furado nas costas...eu hein!!!

    Se divertiram hoje né? Mas é a mais pura verdade desta poetisa que vos escreve. Tive um amôr de um homem inútil e no momento sou é bem mais feliz entre as compnheiras de minha vida! Meu trabalho, a minha vidinha de poetisa, minhas leituras, meus enlevos e as minhas musas ( ai,que musas! ) que jamaisi trocaria por mero nada mais! Sou bem intelectual agora pra nunca ruir nessa recaída heterosexual imunda dios homens! ARGH!!! Entenderam? Pois é, até mais então...

 

     "Se tive uma sementinha doce na boca fui feliz, nunca esqueci e tentei ser moça. Mas acabei num sonho ruim e Alice nunca estaria nele. Um dia mudou tudo e agora sou jardim e Alice são muitas!"  

                                

                           ( Jú, numa hora de chuvas... )

 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 16/03/2017 às 16h01
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 9 de 48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras