Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

PATRONA DO MÊS DE JANEIRO              
              Bárbara Heliodora (1758 – 1819)
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Meu Diário
23/08/2017 20h25
Atacando polemistas de polichinelo - UFO!

   Julgo meu dever falar e repetir o que passei nos útimos dias quando achei que liberdade que tenho de ser o que sou nnca seria olbliterada. Entrei em sites cujo teor de seriedade sem sal é intenso, velado e muito machist de certa forma em "decretos" ou regrinhas fominhas. Vou repetir aqa baixo este meu pesar e uma espera de aceitação, com desculpas, que dirigi a intelectos de censura prévia light, limitados em sua democracia decente e coisa e tal. Até me atrasei neste meu diário por cona dessa simpatia que encontrei por aqui e ali nesses sites de brilhantismo crú e liberta democracia fanha. Assim, eu acho, mas a tolerância zero quanto à sexualidade e aos fatos do que sou e digo nunca encontram justiça diante da sregras duras de alguns mecenas desses sites. Espero que estejam elendo, pois eles sabem do meu blog e devem ler uito este diário. Deixarei livre esse texto do diário de hoje - hoje tão atrasado em dias!  - pra que "eles" copiem e divulguem por lá ( ou nem sei se irão fazê-lo a contento... )! Nada pedia pa ser livre pra dizer oque quisesse d emim, de minha sexualidade livre e sem censura catedrática de permeio. Sou muito inteligente e isso "eles!" constataram um tanto, mas pegavam no pé por tentar ser livre em tudo, dizer o que sinto ou que sou e pronto final! Este diário de hoje ´[e um registro d que sobrou das agruras freudianas por lá. Eu exponho aqui o meu último texto que escrevi por lá, assm na dura e seco, e depois sai de vez pra voltar sabe os deuses quando...

     Parte dessa gente é muito presa na defesa de moraliade evidente a evitar certos diálogos de cunho sexual idem evidente, mas nem disse um palavrão ordinãro mais pesado ou coisa pior pra atingir uns educadinhos moralistas de penacho em pé. Não os defendo e nem peço que me crucifiquem mais que oevido. Deveras estou é passada com aquilo tudo!. Nunca vi tanta "muralha" moral firme com tom aguerrido, e com ameaça de expulsão como se fosse uma excomunhão assustadora pra papalvos temerem. Fui sábia e bem inteligente por lá enquanto podia, mas vi que sem liberdade extrema e sem a tolerância zero nenhuma regra em contrário me servirá a contento. Sexo pessoal  ainda é tabu, se revelado ainda é mais e isso mexe com a passionalidade brazuca lógica e arretada dos moralistas defensores do melhor de si. Que assim seja! Eu é que não volto por lá até resolver parte de minha vida complicada. E se me descobrem com avatar novo e nome igual, não nego me nome masculino restante, porém detesaria contrariar a mimmesm apor isso! Não entro mesmo em clubs que me aceitem como sócia. Saio de lá ou nem sei se volto depende d e,ue silênicio por laá chamar a atenção, se der...parece que é ruim ser diferente, solta, sexualizada com compostura única, e ninguém quer discutir as razões desse proceder. Se tem regas demais p  negócio pega no meu pé e ponto final. Vai daí que tenho razão em expor aqui parte dum desabafo e o pouco que era ser aceita por falar demais! Ufa! Humpf e com razão! Que "eles" pensem pequeno com regras bonitinhas e sejam democratas em sua casa, pois não passarei além da porta e só vou lá pra ver o que falam de mim. Estou passada mesmo, meio abismada, saída da gleba...afe!  

Lá vai parte do problema e assunto que deu que falar:

"Tem sempre os líderes enjoadinhos, que te avisam pelo que vc disser com verdades, pois não admitem diferenças e nem em se falar de dilemas domésticos, de coisas que chocam e fatos que distorce seu trabalho governamental. Te mandam fazer a sua verdade em outra freguesia e esse recalque de ditador é fogo!! Preferem admoestar e depois expulsar aqueles que não se coadunam com suas ( comunitárias,que seja... ) regritas as mais burlescas! Nunca gostam de opositores contrários e adoram manipular e sossegar os recalcitrantes, e ainda vem com ameaças vazias. Ditadores vivem disso, temem o que não amam, fazem sofrer os incautos, detestam tolerância zero, colocar as cartas na mesa e vc tem que fazer pianinho nos pensamentos. Liberdade pra essa gente é indicar o melhor doce pra evitar amargas histórias de vida, talvez para não bagunçar o restante acomodado que vive nas regras tirânicas ou não do escárnio do dono do poder. Já vi esse filme antes e conheço a situação. Se alguém ameaça o "status quo" controlador do tirano, mesmo que bondoso aparentemente, ele destrói a tudo e exila os descontentes...fácil ser ditadorzinho meia boca com regras antipáticas de governo, o qual só ele aceita o que deseja "verdadeiro" ou "bom" pra todos. Não faltam exemplos na vida e na mídia...ui! Bote uma doida numa gaiola com puxa-sacos silenciados que ela fará coisas de pivete malcriado, jogando pedras na janela ou passar a pipa em cima da casa dos outros, é pimenta como refresco! Entre os aliens isso não deve acontecer entre eles há milênios!!!! Ao meu ver inexiste liberdade fora ou dentro da casa dos outros se o outro te dá regras demais no mesmo teto!"

 

E minha defesa-desabafo:

"Não tive intenção nenhuma de assim proceder. Apenas me lembrei do Faceburra por term feito algo similar a ditadores de socapa e de um tal JMS96 ou JSM69 que me disse que devo ficar pianinho, mandando meus dados À uma entidade racista conhecida ( isso me assustou! ) e que mandou ameças menos veladas mais do que eu poderia dizer. Mas eu não sou de falar por trás com entrelinhas e nem criticar com frieza imparcial, eu apenas me empolguei na reação legítima minha por ver um tirano na Coréia do Norte que anda fazendo coisa pior do que meras "velações" de minha parte ou segredos pessoais de menos importância social. Se falo demais de um fato, que não é um desvio psicológico sem graça inexistente, então peço desculpas tantas quantas eu tiver feito. Sou composturada(!) o bastante pra não falar vulva e pênis de modo tão clinicamente falado por vc, meu caro e doce Spock! essas palavras clinicas de medicina legal jamais eu disse em qualquer texto aqui veiculado. Na próxima só falarei de UFOS, UFOS, UFOS, UFOS, UFOS e demais correlatos po ciÊncia paralela. Eu não tive intenção alguma de erradicar moderação ou dizer tais veleidades que teorizam, mas eu sempre falo a verdade com uma ponta de razão externa. Se não quer ver nessas desculpas aqui eu mesma saio de uma vez por todas da Internet e de qualquer mídia pra SEMPRE. Voltarei TALVEZ em dois anos após mudar nome ( Denise ) e uma condição orgânica idealizada. Na altura do campeonato de minha vida já estou acostumada a ser mal entendida e assim vai. Espero ver respostas mais leves do que análise fria e lógica das coisa que sou ou fiz! Daí, se eu sair, eu continuarei a escrever meus diários físicos e a externar minha cultura entre 4 paredes outra vez...pegar ou largar! Com educação eu baixarei a crista e falo só de UFOLOGIA E TECNOLOGIA AFIM...correto? "Não posso estar morta," 

 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 23/08/2017 às 20h25
 
18/08/2017 01h40
Um instante de beleza ocular

     O nada pra ser dito. O tudo pra ser visto. Sem comentáros... 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 18/08/2017 às 01h40
 
16/08/2017 22h44
Tudo pra quem merece

         Ouso dizer que conheci gente boa, já que as ruins eu deixo pra lembrar em algum livro em nome deles. Os piores s eforam, mas resta muito de bom pra se lembrar dos outros que merecem minhas atenções. eu já não ligo mais pra certas coisinhas pois estou "vacinada" há tempos.  melhor sempre se aprimora e volta com amor ou cadência de interesses. Os piores desaparecem contudo ficam numa lembrança encoberta que volta e meia me prejudica as recordações  Sofrer como mulher é a dignidade de nossa história desde tempos imemoriais!

       Gosto de lembrar dos dias de criança, de escola e das formaturas desde o primário, e eu pulei o pré e fiquei feliz com isso reconhecido. Os dias de ver TV e as sessões da tarde tão supérfluas e piegas, com algumas coisas que vi e acho até hoje ótimas de relembrar. De cada filme de adolescentes, os que só faziam pensar e que valiam a pena raciocinar em seus enredos, de tudo isso que curti desde menina. E vibrei com tanta coisa hoje já consideradas bobas, vintage e "quadradas"! Foram tempos de aprendiz com inocência fortuita. E tive amigas e amigos que sumiram com as décadas que passaram rápido demais. Foi bom e durou instantes em uma minha vidinha de pequena burguesinha de apartamento. Minha mãe fazia de tudo pra me satisfazer com as ralas mesadas que tive. Ai ai ai...a realidade tem como patrão a quadratura do círculo...

        Do papai prefiro guardar o melhor e esquecer as desfeitas,as mágoas, o que fiz de errado por ele ou assim por diante. E meus diários pertencem a essa época entre os anos 70 a 90, tão inesquecíveis que chegam a doer. Ainda há as feridas que não apagam, mágoas que ainda me cutucam silenciosamente, a realidade de um tempo de inflação galopante, desenhos bons e mediocridade na TV e nos cinemas. E ainda tem os quadrinhos que curtio até hoje e não lagarei jamais, vício delirante e empolgante, sempre...eh-eh! Ainda guardo muito gibi de minha coleção peculiar. Coisa d e,menina sapatinha iniciante. E houve idem muitas outras paixões íntimas que hoje estão maduras e corretas.

       Papai está em seu lufgar, contetne com a deixa d eminha vida longe de suas preocupações para comigo, nem se importa com minhas namoradas e questões lésbicas de viver. Não se deve mexer como que está aquietado por "cimentos" pássionais antigos ouperdidos. E os sentimentos se congelaram que nem tabela de preços dos tempos do Collor, argh! Contudoa cura ede uma mágoa não custa os blusões da blusa, se é que me entendem ralamente...kkkk

        Da mamãe guardo tudo do melhormesmo. Dela devo a tudo que sou, pertenço ou tenho. Soua sua queridinha eterna a lembrar dela a cada vhoroque escondo na noite e na beirada de minha cama às vezes vazia. E as moças de minha comunidade, a nossa comuna, me ama e bastam pra sanar bastante as lágrimas de veterana que sou. Eu amo todas elas de todo jeito impossível de querer. Afe! Tão bom essas lembrancinhas desse agora, este atual presente momento...eita...

      Parece justo çembrar com cândida meiguice, se posso assim proceder. Lembrar com meiga ternura das horas que namorei e transei com tantas novatas que poertencem à este harém de verdade qe me cerca. Gostamos que seja assim, mas as lembranças de meu passado solitário são ainda grandes e engolem fácil o agora que me convence. Se eu tivesse sido homem eu teria sofrido bem mais e acreito nisso piamente, já vi esse filme antes em muitos dos meus mais próximos ou esquecidos amigos de outrora. Nem sei se cabe aqui dizer-se tanto sobre isso, de minha vida que não é a de ninguém, pois o mundo não se importa com vc,mesmo que morra como herói ou desconhecido. Tem muito disso lá fora, neste globo faminto, infelizmente, por mártires esquecidos. E meu exemplo de sofrer me faz levantar a poeira, isso sim! O resto fica como a lembrança de um conto mal contado...de dias ruins a serem tornados parte de uma nota de rodapé. Isso sim que é verdade a ser demolida...


Publicado por Jurubiara Zeloso em 16/08/2017 às 22h44
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
12/08/2017 20h47
Uma redação de texto emprestado

   E isso me machucou, feriu um tanto e coloquei na Recanto, mas eu repetirei..

 "Paz a ti mãe que se foi. Chorarei por ti a cada noite sem te esquecer, prometo!"

 

Foste chamada mãe uma vez quando não o sabias, mãe do alto mãe de quem eras filha, humilde rainha. Hoje não te chamam mãe os teus filhos porque são filhos teus e não sabem correntes comprimir sobre os olhos e a língua cortaram por excesso de sol. Tens uma coroa de preces não ditas apertas um rosário de votos secretos. Se abres as mãos feridas, ó quão feridas,antes do Gólgota, antes do Filho, cai sempre alguma coisa e sempre sorris.Recolhes invisível uma outra coroa das preces dos humildes e dos mudos por esses que hoje não sabem orar, conheces a corrente que une os povos sabes quanto paga o pai pelo filho e quanto custa ser mãe renegada. Se estes filhos dizem mãe eu não tenho eu não te reconheço mãe, alguém o disse antes deles, com tom diverso sem olhar para ti. Era teu pai, era teu filho e entre vós não se falou de perdão. Tu sabes, pois, perdoar sem a palavra e a tua ferida é já assim tão grande que nenhum a pode ferir mais, nenhum dos filhos. Hoje teus filhos estão velhos e cansado se todos os velhos sonham-se órfãos, isto é apenas um sonho, humilde rainha,e tu, os sonhos, podes colori-los de flores. Dá a todo filho uma flor qualquer que seja o seu covil, fá-lo cair primeiramente do acordar, suplica.E com os olhos novos sobre essa flor uniforme os filhos de hoje recordarão consolados.Mãe, te cantarão com a mesma voz. Essas flores retornarão aos céus cálido se teu céu explodirá no dia de cores. Paz na terra e os velhos serão jovens. Os jovens nunca são órfãos, ao menos no sofrimento. Suplica hoje, humilde rainha, por quem te suplica.


Publicado por Jurubiara Zeloso em 12/08/2017 às 20h47
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/08/2017 09h58
Poesia que se quer bonita, talvez

         Belos poemas vem direto do sofrer e do querer dizer que vem de dentro. São as estâncias de um livro bem aberto que padece nas folhas soltas, nessas letras convictas, num sofrimento intenso que consome. E de qualquer maneira é esse tanto que digo é parte do tal segredinho. Uma arte que se aprende sem escolas, sem tanta submissão à regras ou com o conluio delas de certo modo. Escrever bonitinho não basta, nunca é correto se dermos o trabalho de  ver até onde vai o pieguismo insosso de quem não tem talento. Poesia é refinamento de fatores, sensações, desejos expressos com a vontade, tudo a ver consigo se for verdadeiro. Ah, e da alma tem de vir o orgasmo das musas de um poeta, qualquer que seja seu sexo ou indefinição. A alma é ingrediente básico vezes sem conta, porém o perecer de uns sentidos, a dôr, o sofrer perene que nos ataca hora e outra, tudo se soma acaso o belo tenha de sair sofrido, ou arrancado no instante em que inspiração se faz solene; Mas nem sempre é assim quando se quer.

         A poesia tem na lição de vida o seu mestre iniciador. Possui também muitos encargos ilustres na mente criativa , como: divertir, educar, salientar, apontar, ter defeitos, artesanato das frases, aquele quê em cada um que se subjuga com as palavras doces ou não. Também o amargo da vida se faz presente, sempre, e é essencial tenazmente falando. Sofrer nos oferece a arte maior que qualquer poeta de primaira linha reconhece útil. E como não me considero professora de similar categoria ( sendo eu poetisa de menor acerto e conceito na realidade, afora esta Recanto... ) em nada poderei confirmar em absoluto essa possibilidade. Padecer é o fermento, a massa se completa se quiser que o seja. Se puder que aprenda...

          De fato, sofrer, ferir-se, se deixarr cair nas dôres inevitáveis do viver no mundo, possibilita retirar do fundo da alma uma arte sem igual, se souber expor em textos a razão triste desse penar. A arte dos maiores artistas sobrevem de sua inspiração em momentos vagos de padecimento, da angústa ou de fatores penosos em uma vida inteira. Se dá valor ao tempo certo disso acontecer, mas jamais no momento inevitável do vivenciar artístico se deve entregar-se ao abismo subsequente de tudo. Artistas que sabem o que se faz tende a estar acima dessa mediocridade generalizada na hora certa nos lugares errados de sobreviver. Tal é a vida dos grandes acima de mim. Aviso que nem sempre parecer ser assim...o vice-versa também se afirma em tudo.

          Sofrimento faz é parte do processo,admitamos. Uma alegria acentuada, um paraíso confortável, certos confortos de falsas necessidades, materialismo de certa feita injusto, farsa ou reclamações da vida sem base, tudo isso nunca fará parte da boa poesia de fato. Como aprendiz eterna das coisas do mundo eu sei o que digo. Sempre a aprender, sofrer, injustiçada ou não, pelo caminho penoso da realidade complica o processo sim. Entretanto é forçoso dizer que o belo corretamente hoensto  jamais se alia a benesses ou nem pré-julga o que ignora. Até o feio se torna ornato se souber encontrar nele agrandeza de um texto subjacente a ele. De fato tudo que é humano, perecível por analogia ou verdade incomum, convence pertencer à poesia. E desde já um poema pode ser bem preferível do que reclamos vitalícios e rezas sem sentido. Convém, de certo modo, saber que um poeta não nasce, nem se reproduz, sequer inventa-se. em de vir de dentro esse germinar artístico do ser que compreenderá a humanidade que o movimenta. Nem todos podem fazer bonito na poesia de qualquer maneira e achar completo a sua arte furada, sem noção.

         Poesias bonitas podem vir de muito além da alma, do cansaço, de todos que não sabem ver adequadamente. Ela está na natureza viva, no ar de uma floresta, distante das armas violentas, nas crises dramáticas da vida, podendo ser mal vista nunca compreendida na hota. A poesia de um momento é toda a dinâmica das coisas duráveis, de uma cena real que devemos fotografar e a todo momento poder rever . Pode estar nas ruínas de mundos pessoais, numa batalha indecisa onde o amôr não perece, em cada canto de um rostinho a ser alisado pelas mãos. Pode estar a passos de quem nunca amou, que jamais se deu por vencido, o que se faz santo, silencioso, e ninguém mais tanto saberia. Assim sim!  E essa lista seria interminável pelas belezas não ditas e que não as vemos...         

               

 

 

                 

             Poesia é a menina dos meus olhos...kkkkkkkkkk ( Jú/2017 )


Publicado por Jurubiara Zeloso em 09/08/2017 às 09h58
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 8 de 56 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras