Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

    PATRONA DO MÊS DE ABRIL                   

                 Simone de Beauvoir ( escritora )
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Meu Diário
19/11/2017 22h00
Veste mulher menina

        Um pouco de fantasia verdadeira, tão solta e arretada de bom pra se escrever, lá vai:            

       "Tropeço na varanda, o jardim inteiro ri e as flôres estão sorrindo da conta, me zombando, e as fadas se escondem. E de menina me faço até rendeira, rancheira ou imaginativa. Logo a ver um mundo de lindezas espavoridas com a minha queda desapontável. Eu até fico a rir que nem louca, ao tentar contar quantas florzinhas e fada "fodinhas" estão me sacaneando e das outras que se fecham nas suas pétalas, envergonhadas, Afe, como sou danada de levar mil tombos! Que coisa mulher! Nunca daria pra ser dona de casa com marido babaca do lado...coisa loca! Ahá!

        A varanda se aguenta. Levanto. Espalho a poeira do chão nesta saia de cotelê tão cara de comprar. Rasguei a calcinha que mal costurei, fico braba e torço pra só rir de nervoso pra não dar azar. Todas as fadas (  não imaginárias, CERTO? ) estão de olho em meu afazer agora, pois se me levanto dterei de cuidar das plantinhas lindinhas delas. Ui, isso me deixa tonta sem contar! Que safadinhas aladas essas tais menininhas de asas! Alguém tá falando mal de minha calcinha rasgadinha...ui.

        E tambem machuquei o dedinho mindinho coitadim! Queixo-me em silêncio e lá vou e pego mertiolate e bandeide. Troço chato de cair assim com tanta roupa lavada que tava no cesto! Eca, tenho de relavar tudo! PQP! Me deixa eeivada de nervos ao pensar no trabaçhão. PArte da varanda é suja e eu tinha de cair nessa ramela de poeira de rua mesclada à poeira de casa. Ugh!

       Eu tinha de rasgar a calcinha, coisa? Pelo menos não foi esta sainha de cotelê deliciosa de usar, não manchou nadica de nada! Coisa de mulher fresca que cai no chão por qiualquer coisa. É a diabete, esta pressão, este coração operado, tudo concorre pra me deixar tonta nas horas mais bestas. Putz, não tô tão velha assim, cacete! Detesto é costurar a calcinha, pois eu logo vou e compro outras melhores pra mim. Essa feia jogo fora e pronto! Prefiro usar shortinho sem lingerie, mais prático né? Sou uma tonta meRmo! Uhu! kkkkk

       Se as "meninonas" daqui soubessem de tudo...

       De fato sou mesma atrapalhada com tudo em afazeres domésticos, e toda mulher tem de passar por isso, claro! Mesmo sendo tão lésbica, meio duriona, assim carente de tênis caros, seios fartos e cara de Nerd, sou um tufão de erros em casa! Caio a cada semana nesta joça de varanda mal feita. Quase quebro meus óculos-muletas(!) a cada vez. E todas aqui sabem dos meus prejuízos em roupas e talheres ou pratos. Sei não...

      Agora que vi e levantei, conheci de cara umas plantinahs quye mal notei outro dia por ali. E essas fadinhas, as quais nós escodemnos do mundo exterior ( pois somos umas malucas que só vêem fadas, gnomos, elementares, etc ) tudo passa a fazer parte da rotina. entretanto temos sempre surpresas no quintal. E ninguém acreditaruia em nós e mantemos segredo! Embora neste momento eu esteja falando disso naturalmente e cada um de vcs - os "meus" leitores - doravante sabem da coisa! Aqui  no Rio de Janeiro é normal termos loucas que pensam bem diferente das normais que não somos de fato, juro!

      Contudo estou ciente da sanidade da vida, a minha inclusive, e o chato é não dizer o TUDO que realmente acontece por cá! Aincda acho quer spomos encarnações d ebruxas do passado, tamanha a afinidade que temos com mediunidade ou seja lá o que for. Cair no chão e ver as criaturinhas tão nossas companheiras na comunidade ( a nossa! ) é normalissimo deveras! E são tantos que se refugiam de fora aqui em casa que nem ousamos expulsar a todos daqui! Duendes me livrem de fazer isso..

      Sim, a gente vê tais e tais seres pois somos umas médiuns travessas e adoramos receber umas visitas como gatos, hamsters, crianças, uns duendes, moças apertadas ou perdidas, de tal modo que não vejo ressalva alguma em recebê-los!. Já estgou acostumada a ver de tudo por ser mesmo uma paranormal de algum hjeito. Lá fora se ignora esses elementais, porém eu os vejo desde menina, tomei partido e agora vieram pra ficar. A grosso modo eu caio no chão e no jardim por culpa de algumas, mas nesse isntante não foi o caso. Ainda bem.

      Sse acham que fiquei maluca podem duvidar. Sou pé firme, sapato 42, mente afiada, educada, formada e muito travessa no quatrto. Entretanto nunca vou além da porta d ecasa e digo a qualquer um que vejo pequeninos! Sem essa, jamais! Já basta pra mim ser mal querida pela metade do bairro. Sendo lésbica, porém mesmo, tenho responsabilidades, segredinhos e boa fé na alma genti de minhas moçoilas...afe! Não quero levar palmadinhas de brutos lá fora, nem que eu queira sofrer...kkkkkkkkkkkkkkkkkk O que passamos aqui nos basta pra mantermos alerta nossos sentidos e nossa segurança.

     O jardim tá lindo que spo vendo. Nós e essas criautinhas trabalhamos bem, pois cada flôr bonita e diversos que não se encontram em nenhum outro lugas do estado do Rio. Eu prefiuro manter segredo em qual municipio acontece esse meu, nosso, milagre!  Jardineiros e cudiadores da região  já me disseram isso umas trocentas vezes! É cada flôr tesuda de linda que só guardando pra nós, isso sim! 

     Certo, nós nunca falamos da presença dessas pequeninas e outros mil bichaninho. Mas nunca as tratamos como animais dompésticas, mesmo que sejam uma pretenciosas "capetinhas" quando aprontam no jardim, e a gente leva muitos sustos por isso. Se todos souberem eu acabarei internada e as minhas "mocinhas" de "harém" ( ai ,que indelicado uff! ) ficarão na rua! No moemnto revelo a muitos, pois sei que ninguem daqui da região lê o meu bloguinho da Recanto. Audácia! jamais farei isso.

     Pois é, tenho plantas lindas, flores sensuais, fadas madrugadoras, fadinhas novinhas, gatos de rua e todo um hajkrdim com perfumes os mais variados. Isso me estimula tanto, mas tanto, que escrevo poesia e textos a cada cinco horas, se tanto! Verdade! Sério! Parece que a Elke Maravilha tá no pedaço e gosta de me ver assim, cercada, revolucionária, russa brazuca. E tenho uma gata que se chama Elke! Pode? Adoro pensar essas coisas...só risos!

      Depois da queda vem a poupança. E não é que caí de bunda na varanda e não notei? Agora dói, ai! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk E ainda tenho é de comprar mais calcinhas fofinhas pra mim, né marieta? kkkkkkkkkkkkk só de renda ou algodão nacional, tá?"

      E lá vou eu, adios mis amis...


Publicado por Jurubiara Zeloso em 19/11/2017 às 22h00
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
16/11/2017 23h51
Ah, poderosissima! Dimais da conta, Consuelo!!!

   Me desculpem, mas hoje estou me sentindo poderosa com esta nova roupa formal que acabei de comprar pra fazer visitas à escritórios azuis e tal gente secretariada afins. E tudo por trabalho, se é que me entendem, mas nada de safadeza ou coisa feia que pensarem de mim, ok? Trabalho em empresas e no tempo livre sou esta delícia aqui que vos fala com sua mansuetude, atitude e feminitude...kkk tudo bem passadinho e genial.

  Sério! Eu trampo em fiirma bem conceituada e não direi nomes pra evitar bafafás tão comuns nesse mundino doido de engravatados. Sou lésbica ssumidinha, mulher, porém uma secretária especial e mandona por lá! Não queiram saber...ui!

   Esse desenho acima ( que não é bem meu, evidentemente, pois desenho até melhor... ) demonstra parte d emeu vestir semanal de trabalho. Como na real sou considerada "machona" entre novinhas iniciantes eu mando muito! E tem que se botar ordem nessa moçoilas de paletózinho flambé! Humpf, cpomo me cansa! OMG! Imaginem que por lá tenho cem namoradinhas doidas por mim, mas tudo reservada ou trabalhadeira que dá dó, claro! Deixe que as minhas meninas de casa saberem disso, mifu de toda! Afe!

   Espero que tenham entendido esta rápida passada por aqui no meu diariinho bonitinho....kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk e que me desculpem não falar mais...


Publicado por Jurubiara Zeloso em 16/11/2017 às 23h51
 
11/11/2017 14h28
O meu esforço no destino e a dor

                

 

"Eu estava em meu desktop um dia desses, lá por Fevereiro de 2014, no dia 17, às sete da noite ( pois costumo mexer no computador nessas horas...sempre... ) e senti presença de alguém atrás de mim e virei a cabeça e nada vi. No entanto senti um odor de hospital e o cheiro materno de minha mãe. Em 30 minutos depois a porta me toca em casa e meu irmão me chega pertubado com uma noticia tristissima demais:"Olha titim, a nossa mãe morreu agora, morreu sorrindo na mesa de cirurgia há uma hora antes!" Meu irmão fez esse erro tão comum de darem a norícia com todo impacto e isso - não se faz de supetão! - me fez chorar demais semanas a fio! Não se dá tal notícia como uma bomba sem antes nos preparar pra o inevitável. Chorei seis semanas seguidas, pois amava minha mãe acima de tudo, mesmo nunca ter beijado ela em grande parte da vida e amado com mais afinco...a dor ainda é imensa pela falta dela e o meu descuido besta em cuidar pouco dela, e agora tô pagando por ser mau filho desde então...mas é a vida e tem que se conformar. Eu senti a presença dela e o cheiro no instante em que ela morreu hora antes...morrendo sorrindo na mesa de operações como me disseram, por pneumonia ou sequelas da operação pesada que sofreu...tadinha! É triste mesmo, ainda mais pra mim que era ligado demais nela, apesar de tudo, com a alma ou pelo afeto esfriado...! Sinto muita falta dela..."

                 (  texto retirado de uma de minhas crônicas e demais fatos meus ( 2017 ) )

 

 

                     

                "Onde palavras para desferir o golpe sem a dôr?
                   E olho em derredor cpm poesia sangramento,
                   a dedurar o pensar nessa espera dessa cura,
                   cativa a sentar, permanecer, estar é cansada
                   a cabeça plena de obscuros, pensando vasto
                   E onde procurar o verso válido para lamentar?" 
                                                                         ( Ju / 2016 )

 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 11/11/2017 às 14h28
 
08/11/2017 22h15
Meu temor caladinha

       Teve época que falar menos me tirava o dom de ser mulher que fala demais, oque todas nós fazemos dia a dia. Tive de aprender a me calar nas horas corretas ou na incerteza me emudecia muito diante da censura de terceiros "melhores" do que eu! Tem momentos que liberdade de expressão é tosca e falha demais, ou fala-se da boca pra fora ou nos queixamos à toa de falar pouco, com aquela ânsia de um livre pensar impedido, e entretando a tal liberdade que desejo fica inerte diante do fato sem cura, e ela nem passa perto na hora H. E é autoridade machista, a lei marciana do desrespeito ao suspeito e só fica nisso. E falar alto sem estgar com rabo preso à políticos ou sobre o que está errado pode render aborrecimentos frouxos. Um Brazyl em que vivo como retrato de uma era mito. Afe! Eu mereço!

       Noutros tempos eu nem sequer falava mesmo pra evitar burrice vindo pra cima de mim. Tive medo uns tempos de falar verdades, abrir o berreiro, tudo por viver numa nação retrógrada, má entendida e subdesenvolvidad e qualquer jeito..e tem gente que mete medo por estar acima de sua conduta, maltratando quem ousa falar até demais de certas coisas. Censura que me custava calra o bico, mais por ser mulher e lésbica não-violenta. Sou de paz e prefiro o silêncio que toda gente como eu aprende quando de saias você está em minoria no meio de calças.  Ser subversiva é se sincera, falar palavrão mesmo, evitar desastres amorosos, ser eu mesma a cada minuto de ser feminina. Posso é gostar de mulher, mas sou mulher, um tanto diversa se assim pensarem, ora bolas! Aliás, nem bolas eu tenho...se tivesse enfiava eles entre as pernas quem nem cachorro com rabo entre as patas! E nem sei como homem reage diante de um cala-boca bem dado...

       A razão de calar é mais por sabedoria. Pois não adianta ladrar baixo diante de feras gritando com você. Eu sei bem oque é ser negada a simples menção aos direitos das  mulheres, coisa e tal. Se bem que ser uma lésbica com esse pessoal faz a coisa subir um patamar e assim nem somos mais consideradas mulheres  no mais estrito bom senso! Quando se é homem fica bem o caluda, o quietinho, assim temendo apanhar de autoritários ou de homens dementes em seu cargo. Tudo a ver quando a paróquia descrêr, é o que sempre direi!

       Tive bons momentos de aprendizado silencioso diante disso. Sou mais revolucionária cismada agora do que rebelde anteriormente. Se algo vai mal esperemos a solução, o karma envolvido, as coisa se aclararem mais. Se pedem pra te calar o bico olhe na cara do sujeito, nada fale e somentge sorria tossindo. Um dia ele vai aprender duramente a me respeitar ou à outras mais coitadas heterossexuais, as mais coquetes. Se não adianta expressar-se algo fique na sua e sorria com lábios bem pintadinhos, infelizmente. O mundo está cada vez mais doido, violento, exacerbado e sempre sobra bastante pra nós, mulherinhas complicadinhas. E eu sou lésbica e MULHER, sacou?

        Hoje tenho liberdade de sobra! Escrevo, desenho, falo abobrinhas como todas, namoro sapecas, caço além das ilhas de Lesbos, como, janto, não bebo e não tenho vícios bestas! Sou uma carioquinha limpa, de alma lavada com roupas tesudas, uso calcinhas de lã ou algodão ( ui! ) e estou  na Recanto das Letras MARAVILHOSA copmo sempre! Sou livre pra falar aqui e eu mesma me recondiciono e me vigio pra evitar encrencas. Ah, mas eu sou muito dada a escancarar tudo, a falar palavrões do caralho, bato, brinco e danço pacas! Este meu mundinho levou décadas pra se assenhorar perfeito se quisermos. E d efato sou assim e nunca mudarei sílabas, nem calarei muito. Embora isso tudo pareça paradoxos ou sei lá o quê ( ai, santa! ) adoro ser como sou! Claro que me policio aqui pra evitar ser expulsa ( nada posso fazer contra moderadores, estando  eles corretos ou não...buá! ) como em tantos lugare como no boçal Facebook ( Horro! Moderadores monstros! ) ou determinado blog machista e meio corrosivo como o OVNI HOJE ( argh! Me arrependi por lá! ). Ah, sim eu dou nome aos bois sim senhor...que saco... 

        Censura, cala-boca, shhh, e outros corolários da mente suja de muitos moralistas de linha caduca, tudo isso me irrita e não gosto desde menina. Um dia tive mal bocado por falar mal do regime ( começos dos anos 80, por aí  e eu era novinha e taradinha, kkkkk ) e dizer rebeldias inúmeras, fazendo muitos amigos temerem a minha sorte com oadolescente arisca e intelectual! Lêdo engano sem ivo...kkkkk e como podem ver eu sou das antigas no momento, desde priscas eras nos anos 90!, a aprende falr complicado e ser poeta sem calcinha nas horas vagas de casa...epa! 

        Pôxa, eu tinha mais para falar sobre o quanto sofri por só falar demais e ainda mais com esse temor de censuras de algum lugar...será que volto pra escola com envelopes pardos comprometedores outra vez? e essa boquinha santa qyue tenho aqui ainda tem muita vulgaridade bendita pra se espalhar ou a segredar aos meus leitores mudinhos..e, pôrra, ninguém me visita na minha seção de cartas no  meu blog?

                       

 

                         

                          A agente moçoila 002469 de outros tempos!   

                            xiiii, sei não...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Publicado por Jurubiara Zeloso em 08/11/2017 às 22h15
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
05/11/2017 21h27
O melhor sempre vem aí

           Djóia saber que nem tudo são espinhos, cordas frouxas e as manias de modinhas. Tudo na vida tem seu espaço, seu bem-dizer ou sua estripulia para o erro. Sou de fato sortuda por pensar sempre animada com a esperança de ser a sempre amada, mas nem sempre agradamos a muitos - sei disso bem. Se é para o mal que venha rápido o bem pra compensar os sonhos roídos pela vida. E com poesia eu estou eternamente em gratidão com a realidade que machuca, que dá surpresas e que recompensa quando quer. Nosso destino depende uem parte da aceitação de que o ruim sempre será irrelavante se a felicidade nos sorri a cada hora com amigos, ou com vizinhos humorados, afins e antenados. 

           Sempre me alertei de tudo que aborrece ou fere a alma desprevinida. Agora já sou mais forte, isso é certo. Antes alguma menina, surporesa com o mundo doido de lá fora, e ah, mas hoje sou é bem mais informada, sabida de montão! Numa e outra escola tivce aprendizado. Na vida tive de tudo inexato, o muito suficiente impossível de evitar para desmontarem o meu mundinho peculiar de moça. E a mamãe sempre a orientar, claro. O mundo entende-se como a escola feita para educarmos sem mestres. Se bem que um destino, o aprendizado de conhecer a humanidade, o tanto que nos insatisfaz no amôr e na guerra, tudo o mais nos deixa mais sábio. E creio  que sendo intelifgente, a mulher poetiosa de antemão, aprendiz eterna; e é isso que importa mais...

          Meu mundinho de leituras intensas, esta poesia que se comisera com o tento que sofro sozinha como mulher - apesar de tanta gente ao meu ladinho - e as vitórias pessoai, tem é muito me deixado firme nos propósitos e planos para o futuro. Não mudarei por nada que me desfaça desses fatos realistas. Sou completa, complexa, concedendo de si o bastantezinho pra deixar uma "marquinha" neste mundo fátuo ( epa, falei difícil! eh-eh) . O duro é estar aqui neste país cismado, desperovido de tantos recursinhos bobos, mas não me queixo demasiado pois sou cidadã e brasileira na sua, só não mexam no meu bolso...kkkk E se tantos não lêem ou não sobrevivem muito em nada poderia fazer no sentido de tomar a bandeira e sair pregando mudanças infames que sequer ajudam. Deveras eu deveria fazer deste espaço uma "escolinha" para os desavisados, os quais serão quase iguais a mim quando tiveram de passar pela escola da vida complicada. Eu sei disso, por isso jamais me gabarei de ser mais que  uma poetisa que nunca chama atenção mesmo. Ao menos fosse famosa, ou poderosa até, eu teria meios pra auxiliar a muitos despauperados.

         No entanto eu brado alto em meus escritos. Sou dotada, maravilhosa e lésbica consciente de sua sexualidade sem culpas. Escrevo suficiente pra chamar um pouqinho a atenção de alguns. Perco por achar que isso que faço ainda seja pouco um tanto, mas sou equilibrada e possoo ir mais olionge em meu terreno literário escusado por terceiros. Claro que tenho coisas boas a mais fora da mpídia emque estou. Um dia farei fama e responderei a repórteres ( ai, que luxo mané! uhu, e já estarei extasiada! ) mesmo que sequer eu seja reconhecida por tão pouco. Na verdade nem quero isso, só o progresso numa direção que faça outros mais sabidos que euzinha aqui. MInha vida é, de certo  modo, verbos e delitos gramaticais que se fazer sempre e com sempre poesia vera! E altaneira falarei alto em papel, em versos, nas patavinas que ninguém ousará falar de outra maneira. entretanto  para o meu nbnem estarei renovada, combativa, se expressando nas entrelinhas, fazendo esvair este sofrimento que me habita quando solitária. Dama solitária, a poetisa, a camarada, a estimulada eternamente! Eita ferro!

        Sim, eu quero me gabar do conhecimento que me acostuma. Quero é mais e  mais em direção ao patamar que me elve acima dos homens tôlos e de sua sexualidade bélica incessante. Faço até tripas coração, contudo eu nunca me arredarei o pé da minha morada ou quartel-general. He, he, he, he,,,

           Por ora adormeço mais  um dia encantada pela surpresa de cada noirte e a esperana numa aurora correta de amanhã. Esperança é o meu vestir, meu alimento sagrado, meu empolgante alimento da escrita. Poesia é estar no meu sangue, por falar nisso com mais altiva amplitude. Estou a bradar a cada dia escondida nos textos d eminha klavra incessante! Ninguém me tira esse direito conquistado ao longo de tantas décadas de formação. Uhu! Que permaneço a fiel senhora de meus ideias, sem patetas vintages decomposições vindas de terceiros. E não devo nada a nuinguém mesmo! Falo, olho, escrevo e te digo... 

         Adieu mon amis, até a próxima delonga...miau!]

         E logo mais estarei pegando fogo por ser tão menina levada...

         kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

   

 

             

Tenho que polir grades pra evitar invasão de taradinhos, colocar as tampinhas certas nas canetinhas e lembrar da carteira escolar favorita com meu balanço emocional de outrora...vcs me entendem não é? Não sou tão sacana não, viu? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Publicado por Jurubiara Zeloso em 05/11/2017 às 21h27
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 7 de 61 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras