Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

  PATRONO DO MÊS DE NOVEMBRO
   
                           Madre Tereza de Calcutá
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Meu Diário
24/08/2018 22h53
Muitas pra divertir...( for +18 PLEASE! )

Muitas pra divertir, um dia falo mais...

Perigosa e estripulia, dois apelidos pra essa gracinha...mas eu acho que esse desenho pode chocar um poquinho os muitos desavidados, mas nada tem de erótico agressivo! Eu apelo pra que entendam que adoro esse estilo de design gráfico do desenhiosta, qualquer que seja sua sensualidae aparente. Essa daí é uma delicada gatinha que precisava ser desenhada, porém a encontrei no Geoggle e quero compartilhar com todos. O jeito dela me excita bastante e, como podem ver, assumi o lesbianismo por opção singela, feliz e gratuita. não por forças argutas ou fora de moderação em minha vida. Que me entendam a opção sexual favorita de minha vida, e este inconstante vai-vém de namoros dentro de minha comunidade aberta. Sou é assim e afirmo em pleno pulmão que tal é a índole de meus desejos ou sonhos. Um desenho de como vejo com ardente paixão uma poderosa amante de minha vida - se existisse, a qual eu nunca vi e nem sei se existe...e as meninas que me perdoem!!! Entretanto eu sonho MUITO com essa diva comigo...

  Esta perigosa senhorita não é tão má e nem perniciosa. Apenas fruto de uma visão apaixonada por mulheres fortes, inteligentes, fracas ou não sob certos aspectos, e por aí vai...nada quero chocar, apenas ver se isso completa meus modos diante de quem pensa de mim o contrário! Que venham críticas ou o silênci total, estarei alerta e solícita...mas não busco mais amores do que já possuo em casa...afe! Não sou de ferro, ainda!

  Infelizmente tenho tesão por graça. sensualidade fraca ou o mistério feminino emasculado...ui! Eu tenho queda mesmo por ser somente a passiva em tudo! Muito bom ser uma mulher inteira e gostar MUITO de mulheres complexas!!! Uhu! 

 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 24/08/2018 às 22h53
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
20/08/2018 16h43
Sou eu e o mundo, só na toca

               Lá fora a vida passa, retorna, progride ou só regride. Entre nós as coisas se assemelham muito igual. E eu fico a filosofar sobre essa mediocridade, porém não me entrego fácil à estrepolias da mente. No entanto é fato que a vida lá fora é doida. tem tudo pra nos endoidecer, tudo pra nos prejudicar ou não. Somos umas ilhas em pleno continente de amenidade mundana. Não me deixo levar por isso.

              Ando por este mundo como todos que conheço. A vida tem passado ao largo muitas vezes, nos azucrinando, e eu saio por aí para arejar as idéias. O que sei de lá fora é de assustar desavisados em plena selva de pedra louca. Estes fatos incomodam aos mil que pensam sossegados, que sabem pouco meditar sobre esta  realidade frouxa do mundo machista que não nos convém. Minha comunidade pequenina fica à mercê do materialismo urbano, das coisas bestas que só nos assolam nas notícias cambaintes da mídia. Reflito que sempre vejo o mundo a mudar a cada vez que dou às costas a isso tudo, mesmo quando entro em nosso ambiente sossegado. Ficamos alheios aos dilemas externos, portanto estamos de alerta quando as coisas vem até nós e nos prejudicam. A miséria do mundo nos deixa tristes, acostumadas a lamentar da sorte dos outros, e isso sobrevém numa época mais dificil agora. Espero ser lúcida pra entender e se fazer entender sobre esta realidade tôsca que oprime. E o homem dispõe a cada passo do progresso que devia ser bastante humano.

             Certo que há as coisas do mundo mau, as que são ruins, pérfidas ou regiamente agrilhoadas pelos homens de sempre. E sempre caio na misandria por conta desse ou daquele fato que eles corrompem. Não é culpa aminha existirem homens que pensam somente com duas cabeças e trocentas pernas, querendo almoçar o mundo inteiro e maltratar os gêneros. As mulheres pecam na tolice de crer numa ilusão da perfeição, casando ou amigando sem critério! e querem segurança, dinehiro e vida farta, mas acreditando que existem outras opções de viver. Moças se estragam numa realdiade quando percebem o erro tarde demais. De certo modo eu nunca poderei ser contra a essas desilusões onde caem todas as bobocas. cada um se fia pelo meio qu e domina ou se acaba dominada mesmo...

             Minha misandria diante desse urbanismo que nos cerca só se enerva quyando vejo homens a se enganarem, enganando a muitos e desenganado as virtudes alheias. Quantas moças sem opções despencam pra o matriarcado em casa, sem serviços melhores e com pouco ganho material? Sem progredir dentro de seu mundinho elas se esforçam e cometem os tais mesmo erros de nossas avós desavisadas de antanho: se casam, se iludem, desquitam, sofrem ou divorciam-se, mas jamais ficam alcançando a felicidade, só a dos filhos e etc...chatos esses pensamentos e dilemas de vida...argh!

            O mundo esterior só se torna um estorvo quando saio de casa com algumas intenções ( as de comprar, passear, visitar, sei lá... )! Vezes sem conta sou atiçada por dramas da vida, nas calçadas e ruas, observando o quanto de imbecil seria a minha vida pensante e normal se acaso eu estivesse casada com uma amenidade tôsca que se diz homem, padecendo temores e brigas infindas, permanecendo uma eterna tôla iludida por sorrisos? Sei não, pois eu confesso que jamais casarei por essa mera desilusão pretendida...afe!

             Vamos correr que o mundo corre sob nossos pésinhos. O que está do lado de lá pode ferir sentiomentos, nos fazer cair no sono das ambilidades enjoadas, sorrisos ignaros ou homens mal intencionados. Nem quero imaginar estar ao lado de umbabaca que só pensa em sexo, vidinha a dois e que dirá que o mundo inteiro se exploda por isso..nem ouso ir mais avante na melhor de uma imaginação! Prefiro fazer Cooper feito no calçadão...kkkkkkkkkkkkkk


Publicado por Jurubiara Zeloso em 20/08/2018 às 16h43
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
16/08/2018 14h09
Somos unidas e somos muitas!

 

Um amor que não germinou é cultivo impróprio, mas quando se quer e se ama demais o cosmos será indiferente, e a paixão consome mesmo e o todo resto se nutre de afeição além do bem e do mal. Se proibem, então deus queira que façamos desse instante o minuto derradeiro, este o beijo fascinante, um prazer que virá depois. Se aceitam, estaremos querendo que 14 outras compartilhem essa diversidade, sem as fronteiras, sem temores ou sem injustiças pretéritas. 

O ardente olhar, a entrega suspeita, o tudo ou nada! Já não importa se és duas ou hermafrodita, se tem recordações não terá saudades, se for homem que me esqueça a cumplicidade. Doravente sou a mulher de muitas, das tão iguais e divisórias quanto eu mesma! E já não importará a censura do mundo, nem os desafetos que me desprezam...


Publicado por Jurubiara Zeloso em 16/08/2018 às 14h09
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
11/08/2018 22h08
Tudo de blue abaixo do meu Equador

           Hoje tá tudo azul!  Atgé minha calcinha é azul! Que delícia estar de bem agpra que tenho tantas mocinhas legais comigo e tantas mil tarefas a cumprir numa boa, sem neuras! Estou bem frequinha hoje, bem vestidinha, de botinhas das graciosas nos pés e todo um dia de trabalhos casuais, em casa ou no trampo de sempre. Miau! E como estou radiante abaixo da cintura!

           Desejo que esse dia dure uma semana, assim espero! E tem de se assim senão eu caio na poesia mais inspirada e sofrida da paróquia! E eu sozinha com esses dias que viorão não podem acontecer, não mesmo. E espero estar de bem como neste instanre, lendo bastante e escrevendo quando posso...

           Está azul esta calcinha bem limpinha, bem arejada, a qual está só me dando calafrios bobos quendo bate vento. E oras, estou de saia né? Vou lá pra dentro já e trocar por uma bermudinha mais quentinha...ora que mais posso? Troco e me dispo, fico Eva por uns minutos e os gatos ( digo "felinos" ) de casa ficam olhando, os safadinhos...um dia mando empalhar a todos! kkkk                           BRINCADEIRAAAAA!

           Claro que hoje estou bem de humor e falação rendida. Tenho pouco pra falar agorinha, mas noutro dia abro as bicas e ficarei é danada de falar sobre tudo! Eu deixo os gatins em paz por enquanto! Até acho que direi mais sobre a minha coleção de calcinhas e cintas, delas eu falarei! Hah! kkkkk

           Tudo azul num mar azul e oceano de alegrias num sorriso supimpa!

           

           P.S.: não tem gatos tarados por perto não, assim eu espero...kkk


Publicado por Jurubiara Zeloso em 11/08/2018 às 22h08
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/08/2018 17h56
Menina moçoila e tal

    Um dia uma menina. Mágica, interessante, arrumadinha, a tal da filhota da mamãe, desta tão querrida quanto possível abelhinha! Sabida, oh sim! Com quantos parques eu fiz a vidinha de nunca reclamar mesmo, nos muitos jardins repletos de duendes bem amados ou silenciosos, passeiei consciente da vida e dos ares, até dos mares. As minhas ondinas dessas fontes e tudo que me construiu ao longo de dpecadas de mocinha-primaveril. E com quantos choros e cem lamentos por brinquedos custosos, minha mãe a se locupletar com as minhas faltas rudes na escolinha, esta bobinha a estar bem beijada, amada demais. Oh, que vida trilegal, Da bastante carente de prosas. Mas de amor um ambiente de contruções de alma e alimento de sentir-se livre além da conta. Tudo pelo ter arquitetado ou inovado por mim, com ou sem tantos lamentos, e desejando as noites de rajantes cristais a cada Natal inocente, de más novas deste mundo...e este tal mundo que de legal se conformou muito a só crescer bem arejado, feliz, tão completinha de ter saído do berço há tempos. Oh, oh, oh, mamãe, não me deixe chorar...me faça ronronar no berço de antes...ai!

   Sonhadora e senhora dos seus invencíveis mundinhos inconstantes!

   Moça e menia, desde então, leitora e saudosa, uma poeta ao destrinchar os meus destinos pormim mesma , minhas fases ou minhas conquistas ligeiras. Sou isso e mais... e duvido que eu diga tudo adiante...

   Que me conjuguem, acertem com candura, o todo daquela vida de mocinha ainda iniciante nos percalços da estradinha. Morando em sutilezas, vivendo doçuras na rua. A rua abrilhantada, fermentada por mim  nas rezas diminutas, bobinhas, esquecidas agora, ladrilhadas sim de brilhantes desiguais. E se esta rua fosse minha, dentre todas, eu só comandava tropéis de boas vontades pra ladrilhar tudo de lindas porcelanas também. E eu sendo a feliz, e era feliz, o tempo não arrumado, na vida das eternas canduras, as quais me fazem a falta materna. ai, minha mã. mamãe, de sublimes cantos e mil cantigas, sonhos sem leis, verdades ocultas. E eu descobria a tudo, com a suavidade de moça ainda menininha demais. ai, mãe, mamãe de antes, dos dias encantados dentre as suas bonecas, dos seus afagos que me aqueceram nos frios "tropicais" de Julho-Agosto de cada momento, de cada esta hora da estação da vida...onde mais ser feliz em casa?

   Justo que poesia se faça. Que eu construa e faça estradas, ruas, quitandas de avenidas, loucas aventuras. Eu assim livre do momento que hoje nos forja, assim menina levada, instruída, a bem prendada por ver minha mãe fazer de tudo. mesmo que fosse desde um tricô ao feijão tropeiro bem feito. E ainda moça de lindo dotes, assim como se uqisesse pra sempre, amando a outras mais capazes, esquecendo dos meninos, dos rapazes tolinhos demais. Eu só a preferir meninada de mães corretas, distantes que fosse moradas, as mesma que ainda hoje me visitam, a saudade de boas medidas bem-vinda! UM dia tentei o amor pelo cintrário, e enconterei o dissabor de não estar/parecer "uma" normal demais pra este mundo besta, já muito assediado de temores. Sou teu mundo, nosso mundo, uma mãe pra algumas...ai mãe, onde estarás? Ai...

  Ainda menina, ainda flertada pela vidinha louca do mundo. Estou a seu dipos minha cara realdiade, mesmo sem a mãe pra alterar os desaforos de alguns. E sou a mesma, a única, bem nascida fundamentada nas juras desse algum passado idem. Sou a minha convidada, mas a todos entreabro a casinha das portas de concreto...venham e ensinem a esta menina a permancer poeta e filha sem matrimônios...afe! kkkk Miau!

  Bzzzzzzzz!


Publicado por Jurubiara Zeloso em 09/08/2018 às 17h56
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 5 de 73 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras