Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

 PATRONA DO MÊS DE OUTUBRO 
   
                     Xena, a Princesa guerreira
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Meu Diário
09/05/2017 11h30
Além de minha Trapobana ou Algures

           Me orgulho de ser neta de Portugueses, mas também seria se fosse de qualquer naciolidade enjpada ou não. Gosot da comida e roupas tradicionais de Portugal, mas aquele povo anda muito modesto e tenho medo de ir lá usando miçanguinhas e até colares "selvagens" daqui do Brazyl. Afe! Entretanto sou bem moderninha pra aturar moda vintage de uma gente acinzentada, sei lá mais o quê. Mas eu me visto bem. uso calça comprida na rua quase sempre, um visual pra lá de necessário nesta selva urbana carioca - epa! kkkkkkkk

           Ir a Portugal e conhecer MELHOR sua gente esperta seria uma boa. Um dia viajarei lá por causa das raízes e algumas promessas para as meninas de minha afeição. Ao menos conhecerei lugares de meus escritores favoritos Lusitanos: Eça de Queiróz e Fernando Pessoa. Adoro! Divinamente eu iria a tauis lugfares bem lindinha e muito provocante, mas jamais chegarei perto dos homens com fala mansa de Cabral, argh...kkkkk brincadeirinha....mas não gosto de homem não! Xô!

          Minha mamãe levadinha da breca era filha de Portuguesa ( senhora Dona Antônia, de grande saudades) de primeira ordem do Porto. E com muita consideração eu vou até Portugalzinho por isso. Minhas raízes portuguesa vão é bem, mais linhagem e nem minha avó sabia tanto quanto sei agora sobre todas nós. Temos antepassados legítimos que remontam à 1280!!! Pesquisei muito, claro. Entretanto isso não muda meu pensar sobre grande parte dessa gente lusitana maravilhosa (?) e de suas suas malcriações a respeito de nós, brazuquinhas de coração. Não vejo tanto disso nos imigrantes daqui, apesar de conhecer eu mesma um portuga muito malcriado ou até debocado aqui da padaria do bairro, e que vive dando em cima de mim - vê se pode?. (risos) Me divirto um tanto. 

          Prefiro mulher portuguesa aos homens, de fato. Algumas são até boas lésbicas de fino trato, se souber achar uma que seja, eh, eh, eh, eh. Vou pra lá não que isso me dê tesãozinho e tal. Um dia irei com muito BOM gosto e bem bonitona! Rosa, calça jardineira, calcinha lilás e meu cabelo castanhos bem apanhado. Pode crer que vou. Promessa de um dia é uma jura completa, pois. E ainda tem os poetas portugueses que idolatro desde menina...Camões e sua trupe são a excelência, por assim dizer. Conhecer os liugares de suas vidas é que me deixa empolgada agorinha mesmo. Uau! Se bem que me vestir bem possa chocar os tradicionlaistas que sção maioria por lá. Espero ser deveras comportadinha e muito "namoradeira" das beldades que me esperam. ( risos )

          Depois de Portugal, que tal EUA ou Japão? Sonho bem longe. Mas o que me atrai mesmo são a tecnologia e o pragmatismo social dessa gente muito estrangeira, que vai é rir de mim pela minha brasilidade extravagante. UI. Já pensou como são as lésbicas sofisticadas de lá, não direi as muitas feias que aparecem (argh!)? Eu daria tudo pra ter uma ricaça morando conosco aqui. Seria um festa de harém do balacobaco! Eh, eh, eh, (risada geral ) E vai todo mundo COMER e ser COMIDA bem!

          Minha pequena contribuiçãozinha à poesia é que vai muito mais longe, e nisso acredito. Aguém se habilita de me pagar as passagens? Eu adoraria ser até cicerone sem prática pra ajudar dondocas ou casais afim nessa empreitada deliciosa. Ademais, prefiro Portugal por ora. Não sou tão doida assim, porém eu me arrisco a ser eu mesma numa terra tão estranha quanto esta velha Lusitânia de todos nós. Tenho de respeitar os rigores do povo, e isso se torna logo patente, lógico! As minhas raízes são boas por enquanto, e eu admitro demais do como se aventuraram os meus antepassados. Essa maioria toda de subversivos, vanguardeiros, audaciosos ou tarados...kkkkkkkkkkkkkkkkkkk e nçao falo só dos homens por genealogia. Eu sou é mulher por dentro e por fora e admito ser dessa classe arvorada de seres complexos. kkkkkkkkk

         Chegarei lá muito meiga, doce, vestidinha embelezocada(!) e muito arteira nas sombras! As portuguesas lindinhas - algumas não usam calcinha!! - que me esperem, vou arrasar corações! Uhu! kkkkkkkk! Se me beijarem a mão ficarei louca! Se vier um cara rico antenado só vou dar bolo e fingir demais! Vejam só! Que venham os complicados...uiê! ( risos finais... )

         Genial minha gente. é uma boa idéia! Não farei pior, claro que não!

         kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk! 

         

       

       UHU!!!

 

       PS: Ah, sim, tô mandando a merda um imbecil que se chama Bozó das Couves sem a mãe FDP, que se atreveu a me chamar de "doente"! Vê se pode uma coisa dessa? Não mudarei NUNCA uma palavra do que eu disse e ponto final! Ora bozó goró sem gozó de nóia, vá catar coquinho...kkkk BABACA ele....

 

 

 

 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 09/05/2017 às 11h30
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
05/05/2017 17h53
Para um mundo não muito melhor, dancei?

            Poesia e poetisa, minha nêmesis de rarefeita tessitura. O di\zer calado que em pena e tinta me faz grandeza por menos algumas horinhas extras. E estou no meu céu entre limiares de amores. Gosto imenso disso. Idem e estou conversada. Um exemplo:

            "Ama-me com a ternura sem as vagas do urgir necessidades. Sou a tua estrela qual navegante disposta a venturas. Mas amarei consorte as trincheiras da mísera existência que nos machuca. Sou sozinha nas alturas e tentei abrilhantar esta rua que tu pisas restraída sem me olhar. Dias que divago consigo de mãos juntas, o beijo gostoso de língua, o aquecer os regaços, firmes neste propósito do sexo liberto de amarras. Serei tua relembrada em algum tumular enredo antigo sepultado. Seguirei mais por aléias decerto emaranhadas, ao rumar disso que nos chamam de destino ou prorrogar da morte infame. Siga-me sem discordar as juras entornadas num ahora de abraços MUITO apertados. Quero te sentir o baixo ventre, este calorzinho com tesão confuso, orgasmo eminente numpiscar de olhos num gozar intenso! Te amo querida, à cada noite sem ferimentos, inerente à dôr humana de só padecermos nos lençóis mais suados!"

            Logo se vê que vou longe se ue quiser. Tanto os amores e percalçps qie a vida nos dá e eu quero a minha docemente entre as jovens de meu lar. Alguém nos entenderá, o tempo conspirará traições conosco e o que restar ficará alheio aos caprichos dos historiadores de nossas vidinhas lésbicas ou deliciosas! Sou a partidária de um mundo extenso sem cobranças, e escrevo por isso, e me debato por isso. Tenho amores que carecem de queixar-se, mas nunca é tudo nessas horas se ser a poeta sofrida, solitária, sem "principes".  Ainda prefiro a minha árdua jornada do que aquela escravidão de um reinar másculo sem a danada compreensão! Onde estou fico melhor.   

           Parte de mim é leuitura viva num papel de carne, com tinta desalinho, uma tentativa poética de ser menos que amargura pernóstica. Sou um livro de cara capinha arrendada em sedas. Sou frágil a chorar de tudo, porém tenho mil alegrias com 15 mulheres de maravilhosa dedicação, na cama e nos haveres! Vivo o sonho fácil de quebrar-se, abjurada pelo íntimo poeta, a vontade intensa de felicidade pro si mesma. No entanto ainda acho isso uma individualidade minha por demais inequívoca. Um dia acertarei os vulgares ponteiros de minha humanidade em um relógio menos rigoroso de bater as horas, ajudarei meio mundo ou capricharei em minha santidade.Um dia assim esperado é só uma pretenciosa demora, talvez...tenho de ser menos omissa com terceiros.

           Nos últimos dias em me confidencio em poesia, devagar e sem apelos, e só agora tomo a coragem de ir mais longe nos textos. Erotismo, vida, poesia, prosa, feridas sem fim e este amôr diversificado em prol do tanto a se dizer. O que de fato faço, quando posso, e quando estou ocupada com um cansativo trabalho externo! E tenho de viver, sobreviver, conduzir o coração com calma. E acho que um dia terei um Tango em meu nome, sem bemóis desfavoráveis.

           Que me toquem o coração que é imenso, de mãe que deveria ser, mas me deixem poetar, a cantarolar supremacia verbal, em letras que conjugo dolorida quando emergem! Sou uma barda sem provérbios com poemas adversos mas tão lindos se houver! Darei de mim a aflição exposta a cada texto burilado, só esperando que alguém escute.Poesia calejada é a minha vida a cada tanto pestanejar cansadinho. E eu já tenho seguidoras e amantes, e falta-me os que me conduzam melhor...leitores meus com quem sempre divido pensamentos...e amo a todos! Uiê!

          Delícia! Afinal faeli um tanto deste padecer sem cadernos puídos, Ó, o meu adeus meus caros leitores que parecem fantasmas mudos que em nada se manifestam. Mesmo assim voltarei mais uma vez, esperem! Uhu! Beijocas por instantes, please! 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 05/05/2017 às 17h53
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
02/05/2017 11h56
Amôr sem limite, mesmo que só de mulher...

    "É tão bom, doce, gostoso e admirável ter uma companheira - daquelas que gostam das outras de modo igual e que divide seu coração como eu faço sempre... - e que seja interessante ou completa, que te ame e carregue no colinho durante a noite..."   ( Jú, no afeto e na postura / 2017 )


Publicado por Jurubiara Zeloso em 02/05/2017 às 11h56
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
29/04/2017 02h29
Sorria e que você não tá na TV...

  O anonimato e a individualidade é meios de disfarce, esconjuro, até de benção quando se oculta o que não se diz abertamente. Muitas palavras assediam verbos como a gente faz ao assediar idem uma pessoa desconexa com a gente. E ela se furta de você ou de terceiros, e pessoas assim usam e abusam do anônimo olhar de pouco caso. Indivdualiade tambem aliada ao egoísmo inepto se faz de armadilha emocional, fecha sua vida, mas cadê ferrolho que se abre?

  Eu sei que pareço me esconder de meio  mundo por obrigação de furtar-me dos curiosos emperdenidos, constante ameaça aos meus enlevos poéticos mais caros. Do silêncio de minha arte por escrito resguardo boa parte da intenção. De certa feita eu diria que tenho um nome-  Jurubiara - e um sobrenome quase mudado por um acaso - Zeloso. MAs sou eu mesma a Jú de todas nós aqui. Espero ter expicado que essa enjeitada idéia narcisista ( pra uns e os outros... ) de esconcder parte de mim é fruto de anos de aprendizado humano sobre a realidade comum a tofdos. E eu nunca disfarço meu ego em engenharia reversa de falcatrua emocional piegas ou fico individualizando demais a minha carreira poética única. Me acho poetisa com um certo charme e aquém da prolixidade anônima. Tenho veés hoensto de mulher dedicada. escritora iniciante ( ainda perto dos 40 e tantos? Ora não me digam... ) e sorrio o tempo todo diante dos que se aprisionam na mediocridade anônima. Bah, e isso enche o saco ( não que eu queira ter um pra controlar meu frio hormonal calejadom se é que eme entendem isso.

   Sorriam quandoi verem uma câmera que os tornará individuos anônimos da imagem e podem acabar no mimimi ou virarem memes...eh, eh, eh! Ainda faço do humor a minha quedinha para o circo domestico da vida....de fato....

  Não sou de fato uma mulher dessas que se oculta em versos oresenteados a contento. Eu batalho rigifdamente em meus textos com a libertinagem voraz de meus anseios ou apetites convenientes. Poetisa que se presa vai muito além de metrificar versos à moda antiga - ainda que isso se faça como meio de explorar primárias comções. Um poeta não tem sexo, não carece de se atrever ser um incógnito ( mesmo que isso seja divertido em primenira instância ) e jamais se deixa enganar com sentidos comuns! O apego ao individualismo é um erro ainda questionável quando somado ao egoísmo de si mesmo, o nunca compartilhar as ideações das "musas" que  nos comove a cada parágrafo. Esse fato me deixa incomodada, pois vejo isso em jovens arretados ou velhos moderninhos...

  Poesia comigo é como vinho a ser envelhecido aos goles. Um a dose pequena te dá o melhor poema, mas doses cavalares te dará pronomes pedantes a cada frase arruinada na estrofe. E um poeta assexuado, bem de vida, aprendiz de vivências ao longo da vida, nem sempre é visto como homem ou mulher, quando do sucesso de seus poemas ressoam pelos comuns dos mortais. Vai por aí e se deixa entregar ao sabor da mente.e temperos de sua verve literata. Deveras eu acho isso quase uma descrição imperfeita da coisa toda.

  O egoista se declara mudo quando está cego diante do erro. Pode até conjurar que está surdo quando lhe convém falar demais. No meu caso não costumo  me misturar com egolátras, parvos, individulistas demais que não pensam no tanto que agridem com sua modernidade reconhecida com farsas. Homns de falsos valores existem, mas egoístas a 100% ficam "algemados" à falsas necessidades sem progresso.

  Ego e individuo são temidos por mim. Em prosa e verso excomungo essa falha de vez em quando, se assim permito deliberar. Não me deixo levar pela mente egoisticamente mutável, sendo natural demais em nós todos. Muitas vezes fui egoísta antes dos 30, numa longa jornada infame de adolescente que perdurou até que vi que tinha de mudar, aprender a ser mais que mulher de dotes, assim velada por crendices de menina crescida. Evoluí o bastante para mudar e ser o que sou hoje - não devo  nada a ninguém por isso. Mas continuo levazda da breca, inimitável, pernóstica(!) e mantenho o pouco individualismo em casa ficando no esritório do meu quarto quando EU quero!

  Digamos que sou uma comunista que compartilha governo entre santas? Nunca tenho laivos de capitalista quando o assunto é dinheiro - e é apenas uma ferramenta. como direi mais acertadamente. Se bem que meu socialismo que devia seguir o rumo de um comunismo, ainda que insurja-se, bem individualista em casa só diga respeito à todas que amo por acá ( kkkk )... 

  E meu senso de humor é inabalável quanto a isso tudo que disse acima se expõe aqui sofregadamente. E eu falo pra cacete na vida real...

  ( risos )

 Até mês que vem, meus camaradinhas....beijocas no pescoço pra variar...

 

                           

                                            GIZZZZZZZZ!

 


Publicado por Jurubiara Zeloso em 29/04/2017 às 02h29
 
27/04/2017 02h11
Tendências vagas...

"Eu tenho essa tendência rracional de romantizar tudo" - disse-me uma vez alguma incerta paixão naquela aurora de minha vida aos 19 anos...e ela se foi numa amarga noite de madrugada que demarcou fronteiras...


Publicado por Jurubiara Zeloso em 27/04/2017 às 02h11



Página 11 de 53 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras