Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

  PATRONO DO MÊS DE NOVEMBRO
   
                           Madre Tereza de Calcutá
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Meu Diário
26/09/2018 16h17
Cavalo Quixotesco

     

Em algum lugar tem um Corcel me aguardando, pra passear e cavalgar brioso comigo, na avenida, eu seminua e um monte de sectárias atrás d emim! Uhu! Mas onde esse equestre senhor das cavalgaduras, um nosso eterno Pocotó, aquele que relincha palavras inestimáveis, e aonde está esse senhor comedor de alfafa? Espero dar mais cenouras em troca de um trote pelas ruas...

Será que está num prédio de lajotas vermelhas e À espreita de sua futura dona e servidora? Ou será que vive dando patadas no chão incomodando vizinhos mais animais que o próprio dito cujo? De algum modo ele só faz as perguintas rocinando nervoso ou rindo só pateticamente como um anti-herói sem medo? Deveras devo crer que ele nem ao menos sabe desta minha astúcia de achá-lo um dia por este mundo...

E será que fala inglês e eu sou uma heroína em busca da sua ajuda cavalar?

Não sei dizer e nem responder. Sequer demandaria escoltas atrás dele, para retirá-lo de sua controversa prisão urbana, mas na sua espera isso é menos que uma cela desconfortável de um estábulo idiota. Onde mais achar o meu descabido locomotor de quatro patas? Só eu responderei quando achar em algures na cidade este bravio galopante, tão lindo quanto sabido!. Ai, como eu estou doida...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

E este cavalinho deve estar dando trabalho pra seus donos transviados...


Publicado por Jurubiara Zeloso em 26/09/2018 às 16h17
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras