Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

 PATRONO DO MÊS DE OUTUBRO
   
                John Lennon ( ex-Beatle )
                                                 
                
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Meu Diário
07/09/2018 20h18
Sombras Caladas pela Maluca

           Por mais que nos aparentam serem tenebrosas ou meras cinzas de uma ameaça temos de nos acutelar. Usar de armas ambivalentes costuamrão a agir bem, mas o melhor armamento nem sempre impede a queda de uma sombra. E precisamos de armas valentes pra combater lanças covardes, neste mundinho de desencantos sociais já é de praxe fazer isso. Ameaças imensas costumam ter os pontos fracos, temem a liberdade do agir da gente, assombram a soldadesca de ares afeminados; e a gente se arma de poderio frágil, coração disposto, com este amor mulher, de tão feminina em coração confiante. Ninguém ameaça fácil uma conduta como a nossa se for o caso, mas empenha-se em ser caladas nas suas bélicas teimosias. Mas nunca me conforme, mesmo sendo a mestre da batalha sme rendimentos, jamais recuando, e sem render-se às emoções fáceis..

        Sim, pode ser imensa a sombra que nos acolhe, espreitando a poesia com amargos desideratos. Imensa, enquanto estou em desarme por muitas horas  a "disparar" sem recear. O arcabuz que  me contenta esfria rápido e minhas setas são certeiras como fossem balas! Olho pra cima, assim vestida numa roupa em cintilante esperança, sem coldres feios, de verde ardente como a minha selva de mundo. Poeticamente esforço-me em dizer as palavras finaism pois o gigante sombrio empunha pernas fortes a me esmagar. Jamais a retroceder. Jamais morrer infame! E somos filhas de meus únicos atos que se emergem na coragem de enfrentar o sombrio antipático...

         Uso de farda, sedimento de seda ou cota de malha, com nome de outras heroíans que me servem de apoio, sedução ou  renascer.  Impedirei inconteste a sombria fanfarrona, o desgaste de meu céu carente, as sombras que recuam a me atingir! Escrevo os versos em palavras faladas ao vento, as minhas muito belas correligionárias irão se afrontar ou confrontar esta impostura...ora se vão!

         Dou um beijo a cada soldado de saias qie me amam, guerreiras sublimes e senhoritas lésbicas sem desprazer. Nunca em tão macho combater entre as sombras escurecidas. Mulheres de brio másculo, mas femininas em tudo que diga respeito às suas silhuetas, seus muitos pendores não revelados no amôr conosco! E eis que cairá o gigante cinza, mas comigo ao lado de sua queda, de todo jeito, está a minha vitória. A nossa vitória no exterior de meu harém...

         Hoje o esquisito, o sintomático e o que assusta meus contendores, com a minha palavra e versos, num rompante de comentário até. E descrevo não o gigantesco arremedo social que se faz Sistema e realidade. De fato descrevo mais que o pudesse pensar durante uma luta, o infame combate contra meus tirânicos comentadores de amanhã. Sou tão sua devedora que acalento o meu coração nesta minha inventiva.  Decerto sou a mais equipada para as batalhas da vida, os opressores masculinos de sempre, tanto de lá fora quanto dentre nós! E faço desta prosa um exemplo da loucura íntima que se áresta em meus ditos e poesias.

          Com a grandeza de maestrina das páginas de nossas vidinhas em casa, me estabelço como uma rebelde poetisa, faladeira que só vendo! Nem todos me entenderão em solipcismos, enigmas e manias de escritpra menor...afe! Sou de soldadesca peculiar, mulher de mil modos, uma dondoca lésbica das "bem" combativas, assumida nos encargos de ser feliz com muitas co-iguais a mim! Unu! Que venham gigantes como se fossem moinhos de vento, eu lutarei com armas equilibradas ou frágeis roupas de seda cara...

         "Não leu, não entendeu, o pau de madeira comeu!" kkkkkkkkkkkk


Publicado por Jurubiara Zeloso em 07/09/2018 às 20h18
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras