Jurubiara Zeloso, Amigos e as Amantes

 "Os homens e as mulheres de boa aparência não vivem muito tempo..."

 PATRONO DO MÊS DE OUTUBRO
   
                John Lennon ( ex-Beatle )
                                                 
                
    
       Não vão dormir, coelhas garotinhas e moçoilos...

             Não sejam gulosos e não me olhem assim! 
         


      
 O desejo de ser está na escrita, a de pertencer
        ao mundo que sendo menos criativo precisa
        de gente que saiba viver, escancarar as novas
         fronteiras, rasgar corações, saber a tudo fazer.
        Toda poesia e belos escritos com primor que
        não só pertencem ao escritor mas a quem o
        ama pelas palavras e conhecimento da vida..
        Isolar-se jamais! Apenas adentrar mundo ou
        das maravilhas da alma poeta e escritora!
        Somos amantes da vida, das coisas que só
        compensam e tambem as que recompensam.
        E não basta ler tudo...meus amores...e a esta
        hora do momento a loucura, a vanguarda, a
       insana possibilidade de abrir portais e cenas
       do amanhã ´meu trilhar, e com essas ideações
       posso entreabrir a porta da literatura desse
       amanhã e compreender algo que fomenta meus
       anseios  de poetisa libertária e renovadora.
       Os outros que descubram por si mesmos o que
       aqui exponho diariamente, e ler muito e viver
       a vida não será o tudo e o TODO que realmente
       nos importa! Afe...sejam bem recebidos aqui...





 
     E TEMOS QUE FICAR ALERTAS E EVITAR DESASTRES....

     

            


                  MENINAS EU VI
         


              

                
     
             



            


              


              


          



  

  A luz do mundo é uma mulher. A Terra a outra mais amada!
               



A arte é feminina. O pincel amabilidade. A côr um só amôr!


    


       
         
       A Apanhadora do Campo de Bamboleio...


 


 
         


  
Meu Diário
01/09/2018 22h20
De mim sem corretivo ( + 18, please! )

     

Estive sozinha um dia, mas era escuro o embrião da madrugada, o sermão da insone, as horinhas caladinha, tudo numa loucura de um tédio. Mas olhei o vidro e vi na chuva inclemente, no relento ou nessa boa atmosfera do meu raciocinio, encerrando os pensamentos naquelas amigas que um dia estariam na minha, me compreendendo o suficiente. Pois o momento era calmo, sem bipes de monitores ou estalos de Tv, mas eu estava caída em terreno insólito, com poesias a mil percorrendo as veias, na mente, o tudo que me importava ainda vivaz e sabida. Nunca desabei, pois nas horas precavidas da solidão que estima ficava quieta e relia meus alfarrábios - sim, comprados à custa e revelia, mesmo que afortunada eu nunca fosse. E trabalhei, e trabalho e ainda vivo a este sobreviver, mesmo que chorando oculta estivesse querida distante. Meu quarto era A bagunça mas a minha inteligência sempre será ferina, alerta e jamais solapa por mera desilusão. Arrumei bem mais que uma sala e um bom quartinho. E fui criada pra ser, sou e deverei cumprir como destino. E não sou maluca! Pois sim...

Na solidão, mesmo que brejeira, de vez em quando, a gente aprende muito! Apesar do torcer pra ser vencedora eu ainda caio nas lágrimas e me convenço da aventura de viver. Jamais soçobrar! Jamais arruinar  a feminilidade! Valente mesmo que a vidraça de meu apartamento fosse embaçada revelação...

Agora eu combato com armas próprias e respiro com mais vigor, mesmo que envelhecendo eu seja parte da engrenagem de um dia ido, numa noite, a tão firme ou louca quanto uma feiticeira que fosse minha ancestral ou algo mais - o eu que não ouso duvidar de crer... 

E eu ousarei ir com imparcialidade, sensualidade oculta e atrevimento, como faço ou tenho feito desde mocinha! Meu combate ainda nunca terminará tão tardiamente...hah!

                                      

       


Publicado por Jurubiara Zeloso em 01/09/2018 às 22h20
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras